;
Acesso direto ao conteúdo

Artigos IDPH

 

Programação neurolingüística

© Walther Hermann

Sinopse

Esse artigo é uma rápida visão panorâmica sobre algumas das ferramentas adquiridas por quem estuda a Programação Neurolingüística. Embora incompleto no comentário sobre as técnicas, pode permitir que o leigo tenha uma noção das potencialidades que possui, mesmo que não saiba disso.

Contexto

Nos últimos quarenta anos a Ciência se desenvolveu mais do que em quase toda a história da humanidade, graças à prosperidade de nosso mundo e à iniciativa de muitos curiosos, autodidatas, pesquisadores e cientistas propriamente. Algumas dessas descobertas tornaram-se públicas, com maior ou menor facilidade, de acordo com a maturidade de cada cultura e a necessidade coletiva de conhecimento para resolver determinados problemas. A PNL foi uma dessas importantes contribuições que conquistou o público muito rapidamente.

Artigo

A Programação Neurolingüística (PNL) é uma ciência do comportamento humano extremamente divulgada e disseminada desde a sua descoberta. Como em qualquer ocasião que a humanidade já está madura para absorver determinado conhecimento, a

PNL se popularizou com incrível velocidade em menos de vinte anos, desde a sua criação no início da década de 70.

Em apenas trinta anos desde o início de sua sistematização, já se tornou "ferramenta" diária de terapeutas, médicos, educadores, vendedores, executivos, empresários e pessoas que buscam compreender melhor os processos de comunicação e aprendizado humanos.

Foram John Grinder e Richard Bandler que, a partir de estudos detalhados e observações sistemáticas dos grandes mestres da transformação humana e das terapias mais eficazes, que compilaram e organizaram numa "colcha de retalhos" as mais poderosas técnicas e estratégias de comunicação, mudança de comportamento e aprendizado.

Esses grandes mestres foram os "avôs" da PNL: Virginia Satir (criadora da Terapia

Estratégica), Fritz Perls (criador da Gestalt Terapia), Gregory Bateson (criador da Terapia

Sistêmica) e Milton Erickson (criador da Hipnose Médica Científica Moderna).

Conta-se que Bandler, matemático (e psicólogo??), um grande mago da transformação pessoal, ministrava um workshop (seminário prático) em que Grinder, professor de lingüística, estava presente. Ao final do curso, Grinder, maravilhado com o que vira propôs a Bandler: - "Me ensina como você faz isso que eu te explico o que você faz!". Embora Bandler soubesse fazer maravilhas, não sabia explicar como as fazia, ao associar-se com Grinder criaram juntos a PNL, uma tecnologia que permitia ensinar facilmente a excelência a outras pessoas.

Daí nasceu uma parceria que duraria quase uma década que deu origem à PNL num primeiro momento, e posteriormente a uma série de novas tecnologias de compreensão e transformação da comunicação e aprendizado humanos. Com a contribuição do trabalho e empenho de outros profissionais, os desdobramentos mais conhecidos ganharam os seguintes nomes: Design Human Engineering (DHE), New Code, PNL Sistêmica, Terapia da Linha de Tempo, Transformação Essencial, Fotoleitura, etc. Chegando mesmo até a se tornar instrumento de algumas doutrinas místicas.

Não obstante, outras práticas e teorias bastante semelhantes e contemporâneas foram apresentadas ao público, porém sem tanta difusão e repercussão quanto a PNL que, graças a sua aparente simplicidade e eficácia, foi adotada pelo grande público. Não podemos esquecer também o seu país de origem, os Estados Unidos, cuja disponibilidade, democratização do conhecimento, prosperidade e universalidade do idioma permitiu sua grande disseminação. Certamente se tais preciosidades fossem construídas em países de terceiro mundo, levariam muito mais tempo para serem popularizadas.

Especialmente Bandler, enquanto gênio criativo da dupla que criou e apresentou a

PNL, tem continuado seu trabalho criativo apresentando novas e mais sofisticadas tecnologias de engenharia do comportamento e aprendizado humano: DHE, Engenharia da Persuasão, Mega Master Track, etc.

Na prática, grande parte das técnicas utilizada pela PNL não é de autoria de Bandler e Grinder, embora seu árduo trabalho tenha sido identifica-las, organiza-las e criar métodos de ensino delas. Essas codificações do trabalho intuitivo e inconsciente de

Bateson, Satir, Perls e Erickson permitiram comparar seus trabalhos de diferentes estilos e origens e identificar curiosas e freqüentes semelhanças.

Sendo assim, o "coração" verdadeiro da PNL é apenas uma atitude básica e essencial de observação muito cuidadosa, somada a um conjunto de pressuposições que dão consistência e critérios de escolha para o uso daquelas poderosas estratégias e ferramentas de intervenção terapêutica, aprendizagem, comunicação e expressão.

Quatro exemplos muito interessantes, entre vários outros, são a ancoragem, o "rapport", a neurofisiologia e a linha de tempo.

A ancoragem havia sido descoberta por Pavlov em seu célebre experimento de tocar uma campainha cada vez que servia o alimento ao seu cão. Após algumas repetições, observou que ao tocar a mesma campainha mesmo sem dar o alimento, seu cão começava a salivar! Havia criado uma associação na memória inconsciente do cachorro entre aqueles eventos: comer e ouvir a campainha.

A partir dessa vinculação de eventos, o animal passava a reagir inconscientemente a qualquer dos estímulos. Tal descoberta valiosa permaneceu como curiosidade científica até que a PNL encontrou uma utilidade prática para isso no comportamento e aprendizado humano.

O "rapport" é a empatia construída conscientemente. Foi descoberto que na comunicação humana profunda e verdadeira, cada indivíduo começa a reagir inconscientemente a cada movimento, postura e forma de expressão do outro. Isto é, quantas vezes você já percebeu que pessoas que falavam o mesmo assunto, com os mesmos pontos de vista, não estavam se entendendo? É porque não havia essa sintonia inconsciente, não havia a empatia. Por outro lado, quando ele está presente, as pessoas assumem posturas corporais semelhantes, tonalidades, volumes e velocidades de fala e voz também semelhantes e conseguem se entender com facilidade.

A Neurofisiologia adicionou ainda alguns conhecimentos muito valiosos à PNL na medida em que demonstrou que os "caminhos do processamento cerebral humano" são identificáveis exteriormente através da observação dos padrões de movimentação dos olhos! Ou seja, cada operação mental pode ser percebida ao observarmos com cuidado as formas de movimentação dos olhos das pessoas com quem nos comunicamos...

Podemos identificar como elas pensam, como decidem, como aprendem, como se lembram. Embora, não o que pensam, decidem, aprendem ou se lembram, em princípio.

A linha de tempo, numa explicação bastante simplificada, foi a descoberta de um sistema subjetivo e inconsciente de organização de memórias de modo que elas possuam uma orientação e ordem que nos permita, de forma mais eficaz ou menos, registrar e recuperar tais registros mantendo uma noção de organização e seqüência temporal.

Conhecer e estudar esses processos inconscientes nos proporciona a possibilidade de desenvolver uma parte maior de nosso potencial e melhorar nossa eficiência. Nesse sentido, a PNL poderia facilmente ser comparada com um manual de instruções de como utilizarmos melhor nosso cérebro, aquele mesmo manual que nunca recebemos quando nascemos! E cuja falta, nos força a aprender comportamentos e automatismos na tentativa e erro, o que nem sempre significa eficácia e economia de esforços.

Pense bem, se você ao aprender a guiar, na tentativa e erro, você apenas tivesse descoberto a primeira marcha do seu carro, sem saber da existência das outras três ou quatro. Certamente desgastaria sobremaneira o motor sem nunca atingir velocidades mais altas!

Considera-se que a PNL ganhou muito de sua fama negativa em alguns meios, principalmente por que muitos iniciantes ou leitores de uns poucos livros, saíram a campo para dar palestras, cursos e fazer terapia sem possuírem qualificação ou competência adequadas. Além disso, sendo uma ciência viva e em desenvolvimento, muitos de seus antigos adeptos não foram capazes de se atualizar e evoluir juntamente com o desenvolvimento e as transformações das técnicas e abordagens.

Se por um lado a PNL não possui boa fama em alguns meios, seja por ter abandonado o meio acadêmico, seja pela existência de maus profissionais, certamente isso não atinge em nada a fama, a competência e a qualidade dos trabalhos dos grandes mestres. E somente na presença deles podemos compreender verdadeiramente a elegância e poder dessa tecnologia, pois a essência só pode ser percebida nas entrelinhas dos livros para os que conhecem a atitude adequada. Também por isso, a

PNL foi, várias vezes, confundida com literatura ou prática de auto-ajuda, tendo sido deformada e esticada para corresponder aos interesses de muitos "marketeiros" do sucesso e do aprimoramento pessoal.

Agora, oferecendo um toque pessoal a esse artigo, creio que tal conhecimento, a

PNL, serve especialmente para que cada estudante ou praticante possa compreender melhor como funciona a mente e o cérebro humano e assim ter a possibilidade de buscar, com o uso das atitudes e técnicas adequadas, maior coerência, percepção e autoconhecimento. Porém, pelo seu aparente poder e possibilidade de proporcionar interações mais profundas na comunicação, a PNL foi muito disseminada entre profissionais de vendas e negociação como uma "ferramenta" de persuasão e manipulação, revelando assim o seu lado sombrio e sua ineficácia ao tentar contrariar a vontade genuína das pessoas desavisadas.

Conclusão

Embora a PNL seja uma abordagem comportamental de rápido aprendizado, observo que suas técnicas dependem de um amadurecimento do aplicador que somente o tempo, a vivência e a observação dos grandes mestres podem proporcionar. Isso porque, a utilização fria e simples das técnicas, nem sempre garante a conquista da confiança e do respeito interiores para que elas possam ser duradouras.

comentários

 

[ Retornar ao Índice ]