;
Acesso direto ao conteúdo

Artigos IDPH

 

T'ai Chi Ch'uan

© Walther Hermann

Sinopse

Tradução livre da palestra proferida em chinês por Dr. Chen Guo Suo (mestre de artes marciais), no auditório da Telesp em julho de 1991, síntese de milênios de cultura oriental, sobre essa importante prática de saúde e bem estar hoje disponível no ocidente.

Contexto

Se o pensamento e a ciência ocidental foram extremamente hábeis em desenvolver uma determinada quantidade de soluções para lidarmos com o amadurecer da individualidade, isso não descarta inúmeras soluções que a mente oriental criou e aprimorou como soluções adequadas à sua compreensão e necessidades. Hoje a medicina ocidental já provou suas qualidades, mas também os seus limites: muitos males crônicos obtiveram cura apenas com a utilização de terapias de origem oriental. Dessa forma, a prática do Tai Chi Chuan pode ser uma boa alternativa para aqueles que necessitam de atividade física mas não se adequaram as condições da prática esportiva tipicamente ocidental.

Artigo

Os valores e as funções do T'ai Chi Ch'ang Ch'uan

T'ai Chi: o grande e o pequeno, a dualidade, a viga mestra; Ch'ang: longo, comprido; Ch'uan: punho, forma, técnica marcial.

O T'ai Chi Ch'ang Ch'uan nasceu na China, província de Ho Nan, no vilarejo Chen Chia Kau, em torno do ano de 1650, início da dinastia Chin. Seu fundador, mestre Chen Wang Ting, era grande especialista em artes marciais e desenvolveu esta técnica com base em sua grande experiência de ensino e prática destas artes.

Ao longo dos 350 anos que nos separam de sua criação, o T'ai Chi Ch'ang Ch'uan foi sendo simplificado e modificado, vindo a dar origem a vários estilos graças às contribuições de mestres mais recentes que se aprofundaram em seu estudo e treinamento. Desses estilos podemos citar o Chen, Yang, Wu e o Sun, os quais levam os nomes das principais famílias que os desenvolveram.

Existe atualmente uma grande tendência de diversificação e grande difusão do T'ai Chi Ch'uan, principalmente como disciplina terapêutica. E este aspecto se deve ao fato de que seus movimentos promovem massagem interna nas vísceras e nos órgãos, estimulando a circulação do sangue, da linfa e da energia nervosa (Chi ou energia vital).

Além disso, os movimentos lentos, harmoniosos e de grande equilíbrio do T'ai Chi Ch'uan ensinam o praticante a usar o princípio do mínimo esforço e máximo resultado, seja em sua vida cotidiana ou na defesa pessoal. Todos esses tesouros estão à disposição de qualquer pessoa, sem restrição quanto à idade ou sexo do praticante.

Saúde: a função terapêutica do T'ai Chi Ch'uan

Existe dentro desta arte uma prática chamada Tao In, que consiste em movimentos que conduzem e induzem naturalmente a uma respiração mais suave e profunda, permitindo melhor circulação do sangue e da linfa, resultando no desbloqueio de todos os canais de circulação do Chi, o que proporciona maior bem-estar e a cura de muitas doenças. Este treinamento não exige o menor desgaste físico e nem mesmo provoca grande transpiração no praticante.

Essas práticas revitalizam todos os órgãos, ossos, articulações, músculos, tendões e até mesmo a pelo. Após um período de prática regular, pessoas que possuem o corpo frágil ou a saúde debilitada, progressivamente vão se tornando mais fortes e saudáveis.

Problemas comuns como o mau funcionamento dos intestinos, estômago, vesícula, rins, má circulação do sangue, ou até mesmo problemas crônicos considerados sem cura pela medicina ocidental podem ser diminuídos ou mesmo eliminados. Tem também o mesmo efeito sobre outros problemas, próprios de pessoas com grande atividade mental e pouca atividade física tais como taxas anormais de colesterol ou de açúcar no sangue, pressão alta, sintomas de estresse, assim como sobre o raquitismo, a obesidade e os desequilíbrios hormonais. Mesmo a vida de doentes terminais pode ser prolongada e os sofrimentos atenuados com o treinamento.

Cabe ressaltar que o T'ai Chi Ch'uan é uma prática que, através de seus movimentos lentos e suaves, revigora o praticante e proporciona um grande descanso da mente e, ao contrário da maioria das práticas físicas, permite àquele que a ela se dedica com constância, que continue se desenvolvendo mesmo com idade avançada.

Técnica marcial: a função defesa pessoal

As artes marciais chinesas são diferentes de outras técnicas marciais de luta principalmente porque incorporam uma filosofia milenar às técnicas corporais. Por ser uma síntese de outras práticas marciais e de toda uma cultura e filosofia chinesas o T'ai Chi Ch'uan é por muitos considerada a arte marcial suprema na China.

No T'ai Chi Ch'uan os movimentos de ataque e de defesa são encadeados e sequenciais, com um nascendo do outro. Cada movimento tem seus requisitos vem definidos para que este alcance sucesso, não existindo movimento inútil ou sem sentido e sua repetição faz com que o praticante desenvolva maior consciência do próprio corpo e do espaço ao redor.

A essência marcial do T'ai Chi Ch'uan não está simplesmente no que aparece na forma (coreografia dos movimentos), mas também nos treinamentos de ataque e defesa contínuos. O objetivo da técnica e do treinamento dessa arte é vencer quando lutar. Por tudo isso o T'ai Chi Ch'uan é Wu Shu (técnica marcial) ou Ch'uan Shu (técnica de usar socos) e não somente ginástica ou dança, como ficou mais conhecido no ocidente.

Na natureza o rápido vence o lento, o forte vence o fraco, isso não requer técnica ou estudo. O praticante de T'ai Chi Ch'uan, seguindo seu programa especial de treinamento, consegue dominar uma grande força utilizando para isso um pequeno esforço (na filosofia ocidental antiga existe a seguinte máxima: "Dê-me um ponto de apoio e eu levantarei o mundo" - Arquimedes). Com movimentos curtos e lentos domina outros rápidos e longos. Obedecendo a técnica, consegue-se atacar ou defender utilizando-se de movimentos circulares e suaves.

Após considerável treinamento contínuo, os praticantes de T'ai Chi Ch'uan conquistam agilidade, serenidade, sensibilidade e autoconfiança, permitindo a eles estarem sempre alertas, sem estarem tensos. Nesse nível de refinamento da técnica, mesmo agressores mais altos e mais fortes não lhes causarão temor, pois saberão identificar e usar a própria força dos adversários.

Arte: a função artística

Os movimentos lentos, suaves, circulares, contínuos e rítmicos do T'ai Chi Ch'uan, além de promoverem grande bem-estar, serem eficientes como defesa pessoal e permitirem ao praticante a integração entre o corpo e a mente, também agradam os olhos de quem os assiste, uma vez que assemelha-se em beleza à dança. Nesse ponto não pode ser comparado às outras artes marciais. Mesmo na prática de movimentos isolados ou no Tuei Shou (empurrar as mãos no treinamento de contato com duas pessoas) essa peculiaridade do T'ai Chi Ch'uan pode ser facilmente percebida.

Os povos antigos começaram a chamar as técnicas de luta por artes marciais pois essas técnicas transcendem a necessidade de lutar; elas têm vida própria e graças a isso, tais práticas têm-se difundido pelo mundo não só como técnicas de luta mas especialmente como bens culturais que proporcionam prazer e dinamismo a todos os povos.

Conclusão

Considerando as funções apresentadas até aqui, tornam-se compreensíveis as razões para a difusão de tamanho conhecimento. Desejo sinceramente que todos vocês atinjam elevado estágio de prática e conhecimento do T'ai Chi Ch'uan. É isso que vocês conquistarão através da prática regular e qualitativa desta arte.

comentários

 

[ Retornar ao Índice ]