;
Acesso direto ao conteúdo

Coleção de Artigos "Nova Educação"

 

O Buscador

Por Rubens Queiroz de Almeida

No livro Como a Mente Funciona, de Steven Pinker, eu achei uma pérola. Logo no prefácio, o autor afirma:

Patrícia Claffey, da Biblioteca Teuber do MIT, conhece tudo, ou pelo menos sabe onde encontrar, o que dá na mesma.

Existem as pessoas que sabem muito pouco de quase tudo, e os que sabem muito sobre quase nada. O terceiro tipo, muito menos conhecido, é aquele que sabe procurar. (existe também aquele que não sabe nada sobre nada, mas não estamos interessados nele neste momento).

Eu sempre tive um grande fascínio por bibliotecas. Era impressionante como as bibliotecárias que eu conhecia sempre sabiam me indicar, naquela multidão de livros, o que eu procurava. Para mim era algo mágico. O mundo conectado em que vivemos hoje é algo além de qualquer sonho. As bibliotecas não possuem mais limites. Se por um lado temos a satisfação de saber que pode-se encontrar praticamente de tudo no mundo online, ao mesmo tempo nos vemos reduzidos ao desespero. Como lidar com tanta informação?

De uma certa forma, como Steven Pinker observou, uma habilidade sem preço é desenvolver a habilidade de encontrar a informação. No mundo online, principalmente depois da chegada do mecanismo de busca Google (http://www.google.com), esta tarefa ficou consideravelmente mais fácil. Não precisamos mais nos preocupar em inculcar em nossas mentes, laborariosamente, centenas de informações que provavelmente nunca iremos usar. Basta saber procurar e fazer bom uso da informação.

Como fica a nossa educação, com sua obsessão com a memorização de fatos? Como ficam os professores, que supostamente são os donos da verdade? Qualquer aluno com um pouco de familiaridade com a Internet pode descobrir fatos além da imaginação de qualquer professor.

O professor deve se adaptar a um novo papel, o papel daquele que instiga a curiosidade, que fornece as ferramentas para pesquisa, que acolhe as idéias de seus alunos e que, principalmente, saiba ouvir. Não sabe a resposta para algo? Então vamos descobrir juntos. Definitivamente, o educador deve descer do pedestal, onde nunca deveria ter subido.

Nas minhas aulas de inglês instrumental, quando o aluno me pergunta o significado de uma palavra em inglês, eu digo que ele só vai aprender o significado se descobrir sozinho. E não respondo. Digo também que não faz diferença alguma ele descobrir o significado daquela palavra em particular hoje ou daqui a dez anos. O importante é que ele descubra por si só. O aprendizado independente é o mais valioso de todos, o mais duradouro, e o que traz mais recompensas.

Mas nada disto é novo. Vejam o que Platão disse, muitos anos atrás (Platão, Theaetetus, 150c-d):

algo que eu tenho em comum com as parteiras é que eu mesmo sou estéril de sabedoria. O questionamento mais frequente contra mim é que estou sempre fazendo perguntas de outros mas nunca expresso a minha própria visão sobre nada, porque não há em mim nenhuma sabedoria; e isso é bem verdade. E a razão disso é esta, é que Deus compeliu-me a facilitar o parto alheio, mas proibiu-me de procriar. De tal modo que eu não sou um home sábio em nenhum sentido da palavra; eu não posso alegar como sendo filho de minha alma nenhuma descoberta que mereça o nome de sabedoria. Mas com aqueles que se associam a mim é diferente. De início alguns deles podem dar a impressão de serem ignorantes e estúpidos, mas à medida que o tempo passa e nossa associação prossegue, todos a quem Deus permite mostram ter feito progressos -- um progresso que surpreende outras pessoas e a eles próprios. E fica ainda claro que isso não se deve a nada que eles tenham aprendido comigo; é que eles descobrem em si mesmos uma variedade de coisas belas, que eles então trazem à tona para a luz.

A ansiedade frente a quantidade de informação existente e aos alunos cada vez mais desinibidos no mundo virtual é algo que deve ser encarado de forma mais serena. Nunca um indivíduo será capaz de fazer frente à produção intelectual de milhões de pessoas que publicam seu conhecimento na Internet. Devemos aprender que não existem mais certezas absolutas e que o processo de aprendizado deve ser conduzido conjuntamente, alunos e professores. Todos se beneficiarão ao final.

Referências

  • Busca na Web

    Eu escrevi um pequeno tutorial sobre busca na Web com o Google. É bem curto mas fornece informações preciosas.

  • Como a Mente Funciona, Steve Pinker Uma visão revolucionária do funcionamento da mente humana, escrito de maneira clara e objetiva. Pinker além de cientista, sabe escrever bem. Um livro que "altera o nosso modo de pensar sobre o pensamento".
comentários

 

[ Retornar ao Índice ]

Mapa do Portal

mapabeta

\"Retornar