;
Acesso direto ao conteúdo

Coleção de Artigos "Nova Educação"

 

O Prazer da Leitura

Por Rubens Queiroz de Almeida

A leitura para mim sempre foi algo mágico. Mesmo antes de saber ler, folheava revistas em quadrinhos, montando as histórias na minha cabeça e sempre que conseguia achar alguém paciente o suficiente, pedia que lessem as histórias para mim. Admirava, com inveja, quem já sabia ler, louco de vontade de ir para a escola e aprender o significado daquelas letrinhas enigmáticas.

Aprender a ler foi para mim uma libertação. Não mais dependia de ninguém para entrar em outros mundos, aprender, conhecer o mundo. Com o auxílio dos livros e da minha imaginação, conseguia ir onde queria.

Uma das lembranças mais vívidas que tenho de minha infância, aos seis anos, logo após aprender a ler, é de uma tarde que passei, no quarto de meus pais, lendo o livro Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato.

Eu me sentia como se estivesse vivendo todas aquelas situações fantásticas, visualizando as aventuras da turma toda do Monteiro Lobato. O Visconde de Sabugosa, Pedrinho, Narizinho, Emília, e todos os demais.

Eu literalmente me transportei para aquele mundo, ouvindo os diálogos, vendo as cenas, ficando alegre, triste e até mesmo, na inocência da minha infância, exasperado por não poder interferir diretamente na história.

O que realmente ficou daquela tarde, algo que nunca me esqueço, foi a intensidade de meu envolvimento naquela experiência.

Li tudo que podia do Monteiro Lobato, que sempre me encantou em tudo que fez. Na minha adolescência conheci Érico Veríssimo, Victor Hugo, José de Alencar, Robert A. Heinlein (o melhor autor de ficção científica) e muitos, muitos outros.

Muitos anos mais tarde, em minha adolescência, continuava um leitor voraz. Ficar sem ler alguma coisa, qualquer coisa que fosse, era para mim uma tortura. Estava sempre querendo aprender alguma coisa, ou lendo ou conversando com os mais velhos, que me empolgavam com suas histórias e suas experiências.

Uma coisa entretanto me incomodava muito. Não me recordava em detalhes do que lia e julgava que, por não absorver os detalhes, a minha leitura era inútil.

Tentei então corrigir o que julgava ser um enorme problema. Prometi a mim mesmo passar a ler com muita atenção para não jogar fora o meu tempo. Julgava então, que para poder entender melhor o que lia, devia ler devagar, relendo tudo o que não compreendesse 100%.

Com esta receita na cabeça eu tentei. Mas foi um inferno. Ler desta forma é extremamente chato. Na época pensei que o problema era comigo, que nunca conseguiria ler algo com um nível de retenção adequado. O prazer virou tortura. Deveria continuar perdendo o meu tempo lendo tudo superficialmente? Valeria a pena?

Desestimulado, parei de ler com a voracidade de costume. Praticamente parei. Mas não por muito tempo. Felizmente, para mim, a leitura é uma necessidade básica. Voltei então a ler da forma que gostava, no ritmo que me convinha.

Para que me privar de uma experiência tão agradável? Tudo bem, eu julgava que havia algo errado com a maneira como lia, mas se era algo que me fazia bem, por que então desistir?

Decidi aceitar o que eu, naquela época percebia como limitação, e seguir em frente com as minhas leituras irregulares, sem método, e muito prazerosas. Se os resultados não são palpáveis, tudo bem. Eu gosto e pronto.

Esta era a minha percepção aos vinte anos. Entretanto, hoje eu percebo o quanto estava errado. Mesmo a minha leitura errática e desorganizada construiu uma base de conhecimentos que me dão hoje os fundamentos para poder pensar com mais clareza e ter facilidade de expressão. Com a leitura construimos referenciais, pontos de apoio, que por sua vez, nos auxiliam a assimilar conhecimento mais facilmente. É um campo que vamos fertilizando devagar onde, com o passar dos tempos, as idéias crescem mais facilmente.

Acho que ao longo de todos estes anos, tudo o que eu li foi encontrando um lugar dentro da minha mente e toda esta informação, de uma forma ou de outra, foi se recombinando, me auxiliando a formar uma visão de mundo e facilitando a minha compreensão de muitas coisas. Algum cientista certamente já deve ter uma explicação aceitável para este fenômeno, mas a minha visão certamente é mais simples.

É claro que não estou inferindo que a leitura metódica e organizada está errada. De forma alguma. O que quero dizer é que somos todos diferentes e cada um de nós possui formas peculiares de se relacionar e interagir com o mundo. Alguns só derivam prazer da leitura pausada, anotando os pontos interessantes. Outros, como eu, gostam de ler muito, sem atenção para o detalhe. Possivelmente não existam duas pessoas iguais no tocante a este aspecto. E certamente não existe nada errado com isto.

A nossa sociedade sempre terá um modismo do momento, determinando a melhor maneira de se fazer alguma coisa. Os que estiverem fora da corrente sempre serão, de uma forma ou de outra, forçados a seguir o fluxo comum, o que sempre gera sofrimento para os que são diferentes. A história, entretanto, nos ensina que tudo muda. Os pintores mais famosos e aceitos pela sociendade no tempo de Van Gogh hoje são quase que inteiramente desconhecidos. O trabalho do próprio Van Gogh era ridicularizado, chegando ao ponto em que ele nem mesmo conseguia dar suas obras como presente. Ninguém aceitava e quando aceitava escondia bem escondido devido ao ridículo associado com aqueles quadros tão vibrantes e coloridos. Não preciso continuar, pois o final da história todos conhecemos.

Retornando ao tema da leitura, em minhas aulas de inglês instrumental, sempre fiz questão de oferecer a maior diversidade possível de títulos. Insistia sempre com meus alunos que a concepção de que, uma vez iniciado um livro devemos ir até o final, é uma completa idiotice. Gastar o pouco tempo que temos lendo algo que não nos dá prazer é, além de uma enorme perda de tempo, uma tremenda burrice.

Não existe nada de errado na diversidade. Não se apresse em julgar que a forma como você faz algo está errada. Quem está certo hoje pode estar errado amanhã. Só o tempo dirá o que é certo ou errado. O grande juiz é você.

Mas não se esqueça, leia muito e leia o que você gosta.

comentários

 

[ Retornar ao Índice ]

Mapa do Portal

mapabeta

\"Retornar