;
Acesso direto ao conteúdo

Coleção de Artigos "Nova Educação"

 

Terapia breve

Por Walther Hermann Kerth

Data de Publicação: 30 de Dezembro de 2016

dezembro de 2016

Sinopse

Um texto rápido de divulgação de uma das mais elegantes técnicas de terapia corporal breve, baseada no que existe de mais moderno sobre o conhecimento do cérebro humano e das Neurociências. A Experiência Somática consegue resultados eficazes evitando os labirintos do discurso e do pensamento lógico e acessando diretamente os sintomas corporais de desconforto que acompanham os conflitos e dilemas da vida moderna. Ela funciona bem até mesmo com memórias de experiências vividas antes da aquisição da linguagem (na infância), cujas terapias verbais ou interpretativas dificilmente alcançam com a mesma efetividade.

Contexto

Na civilização do conhecimento, que sucede à da informação, a percepção do tempo e a quantidade de interações que temos com outras pessoas aumentou consideravelmente. Por andarmos com smartfones e permanecermos grande parte do nosso tempo conectados a mensagens, chamadas, conversas, informações que geram reflexões, escolhas e decisões a tomar, nossa representação do tempo mudou. Muitos estão completamente congestionados de atribuições, compromissos e informações - contingências do século XXI.

Exatamente para esse perfil de pessoas, cuja aceleração do mundo contemporâneo exige diferentes hábitos de produtividade e desempenho, apresento uma das mais interessantes abordagens de terapia breve que conheci, experimentei comigo e passei a aplicar, não somente pela eficácia, mas principalmente pela elegância e sutileza em gerar resultados duradouros. Trata-se do método criado pelo psicólogo e biofísico norteamericano Dr. Peter Levine, Ph.D., destinado originalmente à gestão do estresse e à cura do trauma, principalmente decorrente de experiências dramáticas, de grande conflito ou de estresse duradouro.

Artigo

A Experiência Somática é um método rápido, simples e elegante, de manter nosso organismo e nossa mente despertos, limpos e brilhantes, cujos principais efeitos incluem o bem estar, a presença no aqui e no agora, a prontidão e uma expansão da capacidade de enfrentar desafios (aumento da Resiliência). Além de seus efeitos terapêuticos, proporciona ao cliente o aprendizado de estratégias de autogestão emocional (inteligência emocional) ao mesmo tempo em que desenvolve o processo de autorregulação diante de situações anteriormente estressantes.

É uma abordagem de terapia corporal breve que busca neutralizar cargas de estresse registradas em memórias do sistema nervoso com a intenção de ressignificar as experiências vividas, proporcionando um esvaziamento do estresse, do desconforto, da dor e/ou do sofrimento de experiências passadas, presentes e/ou futuras. Uma boa analogia para isso é o que chamamos de "esvaziar o copo" de emoções e contrariedades com o objetivo principal de evitar o transbordamento do estresse por mínimos eventos do dia a dia... Aquelas "gotas d'água" de insatisfações que tanto contribuem para que as pessoas sofram muito por pouco ou se irritem indevidamente.

O modelo dos três cérebros (reptiliano, límbico e cortical) utilizado para compreender o processo na dimensão do sistema nervoso, foi utilizado por décadas para explicar, de forma simplificada, como a Experiência Somática atua. Diante de experiências de grande estresse, dramáticas e inesperadas (trauma de eventos) ou comuns e repetitivas (trauma de desenvolvimento), os três subsistemas do encéfalo se desconectariam parcialmente de sua operação integrada para que o organismo possa suportar as experiências até ser capaz de lidar com elas, compartimentando o estresse para evitar danos generalizados. Funciona como uma barragem de represa que possa conter os danos no sistema nervoso. Este possui muitos circuitos neurais que operam em paralelo e sinergicamente. Diante da sobrecarga, parte desses circuitos se desconecta para manter o sistema operando num grau de coordenação mais baixo, até quando tal sobrecarga possa ser descarregada e os circuitos voltem a funcionar em harmonia.

O S.E. (Experiência Somática) é um método terapêutico que se utiliza dos princípios da Focalização (leia detalhes logo mais) para expandir a consciência e criar maior resiliência emocional e psicológica em pessoas sobrecarregadas e/ou traumatizadas que, via de regra, apresentam diversos sintomas físicos e/ou emocionais, contribuindo para solucionar muitos deles, tais como baixa tolerância ao estresse, grande irritabilidade, baixa vitalidade, burn out, pouco entusiasmo, baixa vitalidade, sintomas psicossomáticos, falta de atenção, efeitos do estresse pós-traumático, entre muitos outros.

Este método busca o reprocessamento de memórias de experiências de trauma através de uma abordagem essencialmente implícita de reorganização dos impulsos e reações biológicos que não puderam se expressar - devido a diferentes condições, entre elas: controle consciente e inibições culturais das descargas emocionais diante de experiências estressantes e da expressão de movimentos contidos de agressão ou fuga. Portanto é uma abordagem essencialmente corporal e sensorial, isto é, somática (sensoperceptiva: interoceptiva e proprioceptiva) e, portanto, predominantemente não verbal. É especialmente efetiva em desativar as memórias de estresse de períodos do desenvolvimento pré-verbais, armazenadas no sistema nervoso.

As intervenções na Experiência Somática destinam-se ao processo de restabelecimento do equilíbrio dinâmico dos subsistemas encefálicos e consistem no direcionamento da atenção e na observação das respostas corporais bem dosadas, sensações, emoções e sentimentos, em sua evolução espontânea. Tal processo ocorre quando, atentos às sensações, damos tempo para o sistema nervoso reprocessar a quantidade de informação acumulada, em parte represada por emoções e sentimentos comumente estressantes. Para que isso seja possível, o indivíduo deve primeiramente preparar-se com recursos sensoriais, emocionais, mentais e psicológicos que lhe possibilitem sentir bem estar, vitalidade, segurança, disposição, disponibilidade e coragem, entre muitos outros, para dar atenção consciente gradual a tais memórias de estresse do sistema nervoso.

O objetivo final é aumentar a resiliência até que seja possível revivenciar as experiências de forma produtiva, promovendo uma integração de estados afetivos destinados a reestruturar memórias, desativar gatilhos de estresse e estabilizar estados emocionais fortalecedores graças à ativação do processo criativo inconsciente.

Como primatas, nossa biologia tem uma programação biológica muito antiga para lutar, fugir ou congelar diante de adversidades ou confrontos. Se ocorrem respostas de luta ou fuga, o sistema nervoso se reequilibra automaticamente. Porém, quando só está disponível a resposta de congelamento, as respostas pré-programadas de lutar ou fugir ficam armazenadas na memória implícita (não verbal), mantendo sob tensão o sistema nervoso, mesmo depois da adversidade ter cessado. Portanto o método busca resgatar tais registros do sistema nervoso e reprocessá-los, descristalizando a tensão nervosa armazenada (às vezes durante décadas), através da consciência das sensações e de suas respectivas descargas, expressando possíveis movimentos corporais contidos, até que os três subsistemas encefálicos recuperem sua sinergia e se coordenem novamente.

Focalização

Método terapêutico de interiorização da atenção, desenvolvido pelo filósofo Eugene T. Gendlin, Ph.D., considerado um dos pais da Fenomenologia moderna, ex-colaborador de Carl Rogers, destinado a intervenções terapêuticas breves, que contribui para o desenvolvimento de uma consciência observadora capaz de reorganizar e reprocessar memórias, emoções, sentimentos, crenças e convicções, ao estimular o processo criativo inerente ao organismo. Curiosamente, esta abordagem possui vários elementos de técnicas meditativas antigas, tais como a meditação Vipassana, utilizada pelo último Buda em sua conquista da iluminação (de acordo com os registros disponíveis).

O método nasceu de suas descobertas e generalizações a respeito dos princípios das intervenções terapêuticas bem sucedidas. Gendlin descobriu que as intervenções de sucesso, em quaisquer abordagens, acontecem quando o cliente consegue coordenar suas reflexões, pensamentos e discurso com suas percepções corporais de sensações, emoções e sentimentos. Quando uma sessão terapêutica não é capaz de acionar ou integrar tais referências sensoriais, dificilmente produzirá ganhos terapêuticos efetivos ou mudanças duradouras.

Manifestações do organismo na prática do S.E. (Experiência Somática)

As respostas do organismo humano a partir das intervenções do S.E. são diversas e, via de regra, devem ser informadas ao cliente para que ele se tranquilize e se permita experimentá-las, afrouxando seus preconceitos e controle (aprendido culturalmente) das respostas fisiológicas, frequentemente inibidas por hábitos sociais (é preciso avisar o cliente que bocejar numa sessão de S.E. não é sinal de sonolência ou falta de educação, mas sim reações de liberação da tensão guardada no sistema nervoso):

  • Arrepios;
  • Arrotos;
  • Bocejos;
  • Emoções que emergem;
  • Espasmos;
  • Expulsão de gases;
  • Lágrimas e/ou choro;
  • Liberação de tensão muscular;
  • Movimentos e/ou vibrações espontâneas;
  • Respirações profundas;
  • Ruborização;
  • Ruídos das vísceras;
  • Suspiros;
  • Tosses;
  • Transpiração;
  • Tremores;
  • Impulsos de gestos, gritos ou grunhidos instintivos, etc.

A sonolência ou desatenção durante o processo indicam sobrecarga do sistema, ou seja, despreparo inicial para lidar com uma carga de estresse armazenado que esteja acima de sua resiliência. A boa notícia é que o uso do método e sua prática aumentam progressivamente tal competência.

Testemunho pessoal

  • Minhas primeiras atividades profissionais, nas quais eu adquiri valiosas experiências de referência, foram no desenvolvimento de competências físicas e motoras, como instrutor de tênis e, posteriormente, de Tai Chi Chuan. Portanto, a partir dessa origem esportiva e de prática física, concluí que o processo de aprendizado devia ser perceptível e mensurável: os resultados precisavam aparecer na prática, fossem na eficácia, no equilíbrio, no conforto, na fluidez, na agilidade, na potência, na regularidade, na elegância e/ou na precisão.
  • Toda a minha carreira profissional subsequente como treinador, coach e terapeuta foi construída sobre tais expectativas de ser possível medir resultados, pois tinha muitas memórias de referência de tangibilidade, solidez e percepção sensorial. Para mim isso significa que não é suficiente, no aprendizado, apenas a aquisição, memorização ou recordação de informações. Tão importante quanto os conhecimentos e informações, são as competências e as habilidades do "como fazer". Também incluo o impulso de avaliar os efeitos. Portanto, em minha carreira como arquiteto de processos de aprendizagem e treinador de habilidades, especializei-me no desenvolvimento de competências mentais e emocionais que possam ser perceptíveis e mensuráveis - "meu negócio são números", como costumava dizer no passado.
  • Tornei-me também terapeuta e coach ao me aprofundar no estudo de experiências e conhecimentos que busquei para solucionar meus próprios dramas pessoais. Nesta busca por melhores sentimentos e emoções, submeti-me a variados métodos terapêuticos, convencionais e não convencionais, cujos resultados alcançaram diferentes dimensões de meu corpo, de minhas emoções e dos meus significados. Nenhum deles foi capaz de solucionar tudo, mas todos contribuíram de alguma forma para me levar adiante.
  • Ao conhecer a Experiência Somática imaginava que seria apenas mais um método que contribuiria para o autoconhecimento... Foi bem mais que isso. Tanto como cliente como terapeuta, tenho experimentado descobertas entusiasmantes, pois a técnica possibilita o acesso a muitos conhecimentos que já possuía e não sabia, a reformulação de memórias e emoções guardadas há muito tempo, e às agradáveis consequências dessa transmutação de maus sentimentos e emoções desagradáveis antigos. Como consequência disso, para exemplificar, faço a seguir uma análise comparativa de alguns aprendizados e experiências aos quais me submeti, com seus efeitos mensuráveis sobre minha experiência cotidiana:

1) Tai Chi Chuan

As duas primeiras vezes que percebi a presença do Tai Chi em minha vida, depois de meses de prática regular, foi quando, ao assustar-me com o ruído de um carro ao atravessar uma rua movimentada, de forma reflexa assumi uma postura corporal de alerta e grande mobilidade (uma postura básica da prática do Tai Chi); posteriormente notei que quando o sabonete escapava da minha mão durante o banho, sem pensar, conseguia pegá-lo antes de cair no chão. Após anos de prática, minha saúde, minha concentração, minha respiração, meu equilíbrio e meu reflexo melhoraram muito. Nunca percebi efeitos adversos.

2) Hipnose

A primeira vez que percebi a presença dos efeitos das práticas de autohipnose e autosugestão em minha vida foi quando ao entrar numa competição, não sentia mais o estresse que experimentava anteriormente em cada jogo de torneio. Após anos sem prática, conheci a Hipnose Ericksoniana. Esta era ainda mais elegante, sofisticada e efetiva que a Hipnose Clássica, onde comecei. Um dos melhores efeitos, além de soluções terapêuticas oportunas, foi a potencialização do processo criativo e o aumento da flexibilidade mental e emocional. Um efeito colateral foi a distorção e a imprecisão das memórias, nas quais confiava muito antes.

3) PNL

A PNL trouxe de volta o brilho dos meus olhos e me ajudou a resgatar meus sonhos, ideais e me mostrou o caminho da autorrealização. Entremeada com a hipnose, própria da linhagem em que me desenvolvi, abriu um universo de possibilidades de desenvolvimento pessoal e profissional. Seus pressupostos e seus princípios, trouxeram-me muito mais flexibilidade, liberdade, versatilidade e o desapego às minhas iniciativas.

4) Constelações Familiares

Essa foi outra revolução em minha vida pessoal e profissional, dez anos após começar na PNL. O primeiro efeito foi notar que, após vários anos de desafios profissionais e financeiros, pela primeira vez, terminava um ano com uma poupança que não estivesse comprometida com o pagamento de 13º salários e férias de colaboradores! Minha remuneração, até então, era conseguida com esforço sobre-humano e estresse - de repente, um padrão habitual de escassez mudara! Além dessa, muitas outras transformações vieram sem esforço consciente.

5) Meditação

A meditação entrou tão sorrateiramente na minha vida que não sou capaz de reconhecer exatamente quando, pois tanto dentro do Tai Chi quanto da hipnose há várias práticas meditativas... No entanto, a prática formal trouxe um elemento novo: uma consciência de identidade que não reconhecera antes. Até antes da prática formal eu vivia para servir aos outros. A meditação trouxe-me a consciência de que o serviço aos outros somente é autêntico se somos capazes de respeitar a nós mesmos, os nossos limites, as nossas necessidades - tal consciência veio com a prática da meditação: a percepção de "eu", uma identidade diferente daquela que antes usava socialmente.

6) Coaching

O coaching, além de ser um bom enquadramento para a prática da PNL generativa, deu forma para um modelo de consultoria e mentoria de empreendedores, líderes e pessoas interessadas em assumir responsabilidade pela própria vida, pessoal e profissional. Ele ainda trouxe uma linguagem mais cotidiana e menos técnica para abordar principalmente a decisão de assumir a responsabilidade pelos próprios resultados, que permite empoderar pessoas e equipes por aquilo que sonham e/ou buscam. Na minha vida profissional foi o divisor de águas entre o papel de instrutor e treinador, possibilitando tornar meus conteúdos mais flexíveis e adequados a diferentes públicos.

7) Método Demartini

Collapse Process, como também foi chamado, foi de grande ajuda para desestruturar várias convicções e hábitos emocionais de confiar na chamada lei da causa e efeito, que me levava a procurar as causas de minha realidade fora de mim, nas circunstâncias, nas pessoas, nos eventos, na vida externa. Antes eu já quisera acreditar que a realidade experienciada era um reflexo do universo interior, mas não tinha um recurso efetivo que despertasse isso naturalmente na minha forma de agir e encadear minhas reflexões. Trata-se de um método extremamente simples e prático de colapsar o intelecto e abrir a percepção do coração, destinado a pessoas muito lógicas e racionais, como eu era.

8) Nova Medicina Germânica

Os procedimentos da medicina atual sempre produziram efeitos colaterais tão ou mais incômodos que os problemas de saúde que me levavam a procurá-la. Por essa razão, medicinas alternativas como homeopatia, ortomolecular, etc., medicinas preventivas de modo geral, sempre funcionaram bem melhor para as minhas necessidades do que tratamentos convencionais.

Porém somente a Nova Medicina Germânica me devolveu a dignidade e a convicção de que há uma inteligência gigantesca acumulada ao longo de milhões de anos em nossas chamadas doenças! Por paradoxal que possa parecer, foi o único modelo que conheci que compreende a recuperação da saúde numa perspectiva evolutiva, para a qual as doenças são apenas manifestações explícitas da operação de programas biológicos destinados a superar adversidades de diversas naturezas. Ainda me espanto com a beleza e precisão deste modelo de compreensão da saúde humana.

9) Experiência Somática

Bem, esta ficou por último apenas por ser o estudo e a prática mais recente.

Totalmente coerente com tudo o que tenho estudado em Neurociências e na Nova Medicina Germânica, a Experiência Somática parece conter os recursos necessários não somente para a cura do trauma, mas principalmente para resgatar a alegria de viver! A minha experiência com esta prática trouxe para o meu dia a dia a experiência da excitação e do êxtase que eu tinha apenas em circunstâncias muito especiais, tais como, estar apaixonado ou apresentar uma performance profissional bem acima do usual (quando o processo de conduzir um grupo através do seu desenvolvimento se parece com momentos de iluminação!).

Sempre tive uma grande curiosidade e interesse pelo estudo comparado de religiões desde os dezesseis anos, quando pela primeira vez li sobre o assunto. Posteriormente encontrei na Mitologia Comparada mais elementos para alimentar a sede pelo autoconhecimento. O que descobri nesse caminho é que grande parte das abordagens terapêuticas que temos disponíveis atualmente no mercado fizeram parte do repertório de métodos das práticas místicas e espirituais, apenas disponíveis em mosteiros e comunidades fechadas do passado. Enfim, muitas das explorações que pertenciam às religiões e às práticas místicas do passado, hoje são alguns dos mais efetivos métodos terapêuticos disponíveis para qualquer pessoa que queira experimentar, sem qualquer sectarismo ou doutrina religiosa!

Os psicólogos e terapeutas atualmente são os mensageiros e portadores desse conhecimento... Para referenciar isso, considero comentários do livro Presença, de Peter Senge, Ph.D., um dos mais famosos especialistas mundiais sobre o assunto do aprendizado corporativo (pesquisador do MIT, Harvard). Ele menciona informações obtidas em entrevistas realizadas com líderes de grandes organizações a respeito de suas experiências pessoais com a condução de empresas: as experiências interiores (emocionais, mentais e espirituais) que descrevem não são nada diferentes daquelas relatadas por monges e sacerdotes de distintas religiões.

Conclusões

Numa civilização acelerada espera-se que o processo de cura emocional também possa ser mais rápido, duradouro e agradável, diferente das propostas dos antigos modelos terapêuticos que exigiam anos de atendimentos, sem qualquer garantia de resultados. O S.E. (Experiência Somática) promete mais competência e maior resiliência para enfrentarmos a realidade com bem menos estresse acumulado, sem termos que entrar nos jogos de palavras das abordagens verbais.

A Experiência Somática certamente tem um grande potencial de solução da miséria emocional que compartilhamos em nossa sociedade. Nós testemunhamos todos os dias o sofrimento próprio e/ou alheio diante de estímulos aparentemente pequenos. É fácil concluir que muitas pessoas estão com seus "copos cheios", transbordando, culminando em explosões emocionais (das quais se arrependem depois) causados frequentemente por motivos insignificantes.

Se você estiver buscando um método terapêutico para gerenciar rapidamente o estresse do cotidiano e recuperar sua vitalidade mais rapidamente, essa é uma boa opção para você experimentar, quer esteja ou não fazendo algum processo terapêutico ou de coaching.

Indicações para se aprofundar

comentários

 

[ Retornar ao Índice ]

Mapa do Portal

mapabeta

\"Retornar