;

THE VELVETEEN RABBIT

How Toys Become Real
by Margery Williams

Christmas

Once, there was a velveteen rabbit, and in the beginning he was really splendid.

He was fat and bunchy, just as a rabbit should be. His coat was brown and white, and it was very soft. He had real thread whiskers, and his ears were lined with pink satin.

On Christmas' morning, when he sat wedged in the top of the Boy's stocking, with a sprig of holly between his paws, the effect was charming.

Of course there were other toys that Christmas, nuts and oranges and a toy engine, and chocolate almonds and a clockwork mouse, but the Rabbit was quite the best of all. For at least two hours the Boy loved him.

And then Aunts and Uncles came to dinner, and there was a great rustling of tissue paper and unwrapping of parcels, and in the excitement of looking at all the new presents the Velveteen Rabbit was forgotten.

The Toys

For a long time he lived in the toy cupboard or on the nursery floor, and no one thought very much about him.

He was naturally shy, and being only made of velveteen, some of the more expensive toys made fun of him.

The mechanical toys, like the model train, were very stuck up and boasted that they were real.

But the Rabbit could not claim to be a model of anything, for he didn't know that real rabbits existed.

He thought they were all stuffed with sawdust like himself, and he understood that sawdust was quite out-of-date.

Even Timothy, the jointed wooden lion, who was made by disabled soldiers, and should have had broader views, put on airs.

Between them all the poor little Rabbit was made to feel very insignificant and commonplace, and the only person who was kind to him at all was the Skin Horse.

The Skin Horse

The Skin Horse had lived longer in the nursery than any of the others.

He was so old that his brown coat was bald in patches and showed the seams underneath, and most of the hairs in his tail had been pulled out to string bead necklaces.

He was wise, for he had seen a long succession of mechanical toys arrive to boast and swagger, and by-and-by break their mainsprings and pass away, he knew that they were only toys, and would never turn into anything else.

For nursery magic is very strange and wonderful, and only those playthings that are old and wise and experienced, like the Skin Horse, understand all about it.

"What is REAL?" asked the Rabbit one day. "Does it mean having things that buzz inside you and a stick-out handle?"

"Real isn't how you are made", said the Skin Horse. "It's a thing that happens to you".

"When a child loves you for a long, long time, not just to play with, but REALLY loves you, then you become Real".

"Does it hurt?"

"Hummmm. Sometimes", he was always truthful. "When you are Real you don't mind being hurt".

"Does it happen all at once, like being wound up or bit by bit?"

"It doesn't happen all at once. You become. It takes a long time. That's why it doesn't often happen to people who break easily, or who have sharp edges, or who have to be carefully kept".

"Generally, by the time you are Real, most of your hair has been loved off, and your eyes drop out and you get loose in the joints and very shabby".

"But these things don't matter at all, because once you are Real you can't be ugly, except to people who don't understand".

"I suppose you are real?" And then he wished he had not said it, for he thought the Skin Horse might be sensitive. But the Skin Horse only smiled.

"The Boy's Uncle made me Real. That was a great many years ago, but once you are Real you can't become unreal again. It lasts for always."

The Rabbit sighed. He thought it would be a long time before this magic called Real happened to him.

He longed to become Real, to know what it felt like. And yet the idea of growing shabby and losing his eyes and whiskers was rather sad. He wished that he could become it without these uncomfortable things happening to him.

Nana

There was a person called Nana who ruled the nursery. Sometimes she took no notice of the playthings lying about, and sometimes, for no reason whatever, she went swooping about like a great wind and hustled them away in cupboards.

She called this "tidying up", and the playthings all hated it, especially the tin ones. The Rabbit didn't mind it so much, for wherever he was thrown he came down soft.

Lullaby

One evening, when the Boy was going to bed, he couldn't find the china dog that always slept with him.

Nana was in a hurry, and it was too much trouble to hunt for china dogs, and seeing that the toy cupboard doors stood open, she made a swoop: "Here, take your old Bunny! He'll do to sleep with you!"

That night, and for many nights after, the Velveteen Rabbit slept in the Boy's bed.

At first he found it rather uncomfortable, for the Boy hugged him very tight, and sometimes he rolled over on him, and sometimes he pushed him so far under the pillow that the Rabbit could scarcely breathe.

And he missed his talks with the Skin Horse during those long moonlight hours in the nursery, when all the house was silent.

But very soon he grew to like it, for the Boy used to talk to him, and made nice tunnels for him under the bedclothes and they had splendid games together, in whispers.

And when the Boy dropped off to sleep, the Rabbit would snuggle down close under his little warm chin and dream, with the Boy's hands clasped close around him all night long.

And so time went on, and the little Rabbit was very happy, so happy that he never noticed how his beautiful velveteen fur was getting shabbier and shabbier,

And his tail was coming unsewn, and all the pink rubbed off his nose where the Boy had kissed him.

Spring

Spring came, and they had long days in the garden, for wherever the Boy went the Rabbit went too.

He had rides in the wheelbarrow, and picnics on the grass, and lovely fairy huts built for him under the raspberry canes behind the flower border.

One time the Boy was called away suddenly, and the little Rabbit was left out on the lawn until long after dusk.

Nana had to come and look for him with the candle, because the Boy was so worried about the Rabbit he couldn't go to sleep unless the Rabbit was safely home.

He was wet through with the dew and quite earthy from diving into the burrows the Boy had made for him in the flowerbed. Nana grumbled: "You must have your old Bunny! Fancy all the fuss for a toy!"

"Give me my Bunny! You mustn't say that. He isn't a toy. He's REAL!"

When the little Rabbit heard that he was happy, for he knew what the Skin Horse had said was true at last.

The nursery magic had happened to him, and he was a toy no longer. He was Real. The Boy himself had said it.

That night he was almost too happy to sleep, and so much love stirred in his little sawdust heart, that it almost burst.

And into his boot-button eyes, that had long ago lost their polish, there came a look of wisdom and beauty, so that even Nana noticed it next morning when she picked him up, and said,

"I declare if that old Bunny hasn't got quite a knowing expression!"

Summer

That was a wonderful Summer! Near the house where they lived there was a wood, and in the long June evenings the Boy liked to go there with the Velveteen Rabbit to play.

And each day before the Boy wandered off to pick flowers, or play at brigands among the trees, he made the Rabbit a little nest among the bracken, he was a kind-hearted little boy and he liked Bunny to be comfortable.

One evening, the Rabbit was sitting there alone, watching the ants.

The Rabbit Dance

Suddenly, he saw two strange beings creep out of the tall bracken near him. They were rabbits like himself, but quite furry and brand-new.

They must have been very well made, for their seams didn't show at all, and they changed shape in a queer way when they moved; one minute they were long and thin and the next minute fat and bunchy, instead of always staying the same like he did.

They stared at him, and the little Rabbit stared back. And all the time their noses twitched.

"Why don't you get up and play with us?", one of them asked.

"I don't feel like it", said the Rabbit, for he didn't want to explain that he had no clockwork.

"I don't believe you can!"

"I can! I can jump higher than anything." He meant when the Boy threw him, but of course he didn't want to say so.

"Can you hop on your hind legs?"

That was a dreadful question, for the Velveteen Rabbit had no hind legs at all! He sat still in the bracken, and hoped that the other rabbits wouldn't notice.

"I don't want to!" he said again.

But the wild rabbits have very sharp eyes. And this one stretched out his neck and looked. "He hasn't got any hind legs", and he began to laugh.

"I have! I have got hind legs! I'm sitting on them"

"Then stretch them out and show me, like this!" and he began to whirl about and dance.

"I don't like dancing. I'd rather sit still!"

But all the while he was longing to dance, for a funny new tickly feeling ran through him, and he felt he would give anything in the world to be able to jump about like these rabbits did.

The strange rabbit stopped dancing, and came quite close.

"He doesn't smell right! He isn't a rabbit at all! He isn't real!"

"I AM Real! I am REAL! The Boy said so!" And he nearly began to cry.

Just then there was a sound of footsteps, and the Boy ran past near them, and with a stamp of feet and a flash of white tails the two strange rabbits disappeared.

"Come back and play with me! Oh, do come back! I KNOW I am Real!"

But there was no answer. The Velveteen Rabbit was all alone.

Shabbiness Doesn´t Matter

"Oh, dear! Why did they run away like that? Why couldn't they stay and talk to me?"

For a long time he sat very still, watching the bracken, and hoping that they would come back. But they never returned, and presently the sun sank lower and the little white moths fluttered out, and the Boy came and carried him home.

Weeks passed, and the little Rabbit grew very old and shabby, but the Boy loved him just as much.

He loved him so hard, that he loved all his whiskers off, and the pink lining to his ears turned grey. He even began to lose his shape, and he scarcely looked like a rabbit any more, except to the Boy.

To him he was always beautiful, and that was all that the little Rabbit cared about. He didn't mind how he looked to other people, because the nursery magic had made him Real, and when you are Real, shabbiness doesn't matter.

Anxious Moments

And then, one day, the Boy was ill.

His face grew very flushed, and he talked in his sleep, and his little body was so hot that it burned the little Rabbit when he held him close.

Strange people came and went in the nursery, and a light burned all night and through it all the little Velveteen Rabbit sat guard and never stirred".

It was a long weary time, for the Boy was too ill to play, but he knew that the Boy needed him. And while the Boy lay half asleep the little Rabbit crept up close to the pillow and whispered all sorts of delightful plans for when the Boy would be well again.

They would go out in the garden among the flowers and butterflies and play splendid games in the raspberry thicket, just the way they used to.

At last, the fever turned, and the Boy got better. He was able to sit up in bed and look at picture-books, while the little Rabbit cuddled close at his side.

And one day they let him get up and dress. They had carried the Boy out on to the balcony, wrapped in a shawl, and the little Rabbit sat tangled up among the bedclothes, listening.

The Boy was going to the seaside tomorrow. Everything was arranged, and now it only remained to carry out the doctor's orders.

The room was to be disinfected, and all the books and toys that the Boy had played with in the bed must be burnt.

"Hurrah!" thought the little Rabbit, "Tomorrow we shall go to the seashore!"

Just then Nana caught sight of him.

"How about his old Bunny?"

"That?" said the doctor. "Why? It's a mass of scarlet fever germs! - Burn it at once. What? Nonsense! Give him a new one. He mustn't have that any more!"

The Fairy

And so, the little Rabbit was put into a sack with the old picture-books and a lot of rubbish, and carried out to the end of the garden, behind the fowl-house.

That was a fine place to make a bonfire, only the gardener was too busy just then to attend to it. He had the potatoes to dig and the green peas to gather, but next morning he promised to come quite early and burn the whole lot.

That night the Boy slept in a different bedroom, and he had a new bunny to sleep with him. It was a splendid bunny, all white plush with real glass eyes, but the Boy was too excited to care very much about it.

For tomorrow he was going to the seashore, and that in itself was such a wonderful thing that he could think of nothing else.

And while the Boy was asleep, the little Rabbit lay among the old picture- books in the corner behind the fowl-house, and he felt very lonely.

He was shivering a little, for he had always been used to sleeping in a nice warm bed, and by this time his coat had worn so thin and threadbare from hugging that it was no longer any protection to him.

Nearby he could see the thicket of raspberry canes, in whose shadow he had played with the Boy on bygone mornings. He thought of those long sunlit hours in the garden - how happy they were - and a great sadness came over him.

He seemed to see them all pass before him, each more beautiful than the other, the flower-bed, the quiet evenings in the wood when he lay in the bracken and the little ants ran over his paws; the wonderful day when he first knew that he was Real.

He thought of the Skin Horse, so wise and gentle, and all that he had told him.

And a tear, a real tear, trickled down his little shabby, velvet nose and fell to the ground. And then a wonderful thing happened. For where the tear had fallen grew a mysterious flower, not at all like any other that grew in the garden.

It was so beautiful that the little Rabbit forgot to cry, and just sat there watching it. Then suddenly, the blossom opened, and out stepped the loveliest fairy in the whole world. She came close to the little Rabbit and gathered him up in her arms and kissed him on his velveteen nose that was all damp from crying.

"Little Rabbit, don't you know who I am?"

The Rabbit looked up at her, and it seemed to him that he had seen her face before, but he couldn't think where.

"I am the nursery magic Fairy, I take care of all the playthings that the children have loved. When they are old and worn out, and the children don't need them any more, then I come and take them away with me and turn them into Real."

"Wasn't I Real before?"

"You were Real to the Boy, because he loved you. Now you shall be Real to every one."

Flying

And she held the little Rabbit close in her arms and flew with him into the wood. It was light now, for the moon had risen. All the forest was beautiful, and the fronds of the bracken shone like frosted silver.

In the open glade between the tree-trunks the wild rabbits danced with their shadows on the velvet grass, but when they saw the Fairy they all stopped dancing and stood round in a ring to stare at her.

"I've brought you a new playfellow. You must be very kind to him and teach him all he needs to know in Rabbit-land, for he is going to live with you for ever and ever!"

And she kissed the little Rabbit again.

"Run and play, little Rabbit!".

But the little Rabbit sat quite still for a moment and never moved. For when he saw all the wild rabbits dancing around him he remembered about his hind legs, and he didn't want them to see that he was made all in one piece.

He did not know that when the Fairy kissed him that last time she had changed him altogether.

And he might have sat there a very long time, too shy to move, if just then something hadn't tickled his nose, and before he thought what he was doing he lifted his hind toe to scratch it.

He actually had hind legs! Instead of dingy velveteen he had brown fur, soft and shiny, his ears twitched by themselves, and his whiskers were so long that they brushed the grass.

He gave one leap and the joy of using those hind legs was so great that he went springing about the turf on them, jumping sideways and whirling around as the others did, and he grew so excited that when at last he did stop to thank the Fairy, she had gone.

He was a Real Rabbit at last, at home with the other rabbits.

Returning

Autumn passed. And Winter. And in the Spring, while the Boy was out playing in the wood, two rabbits crept out and peeped at him. One of them was brown all over, but the other had markings under his fur.

And about his little soft nose and his round black eyes there was something familiar, so that the Boy thought to himself:

"Why, he looks just like my old Bunny that was lost when I had scarlet fever!"

But he never knew that it really was his own Bunny, come back to look at the child who had first helped him to be Real.

[ Etext transcription by John Mark Ockerbloom (spok@cs.cmu.edu): 28 Nov 1995 ]

O COELHO DE PELÚCIA

Como os Brinquedos se Tornam Reais
por Margery Williams

Natal

Certa vez, havia um coelho de pelúcia (Era uma vez um coelho de pelúcia), e no começo ele era realmente esplêndido.

Ele era gordo e recheado (rechonchudo), justamente como um coelho deveria ser. Seu pelo era marrom e branco, e ele era muito macio. Ele tinha bigodes de verdade, e suas orelhas eram forradas com cetim cor-de-rosa.

Na manhã do Natal, quando ele estava sentado apertado no alto da meia do menino, com um galinho de erva entre suas patas, o efeito era charmoso.

É claro que havia outros brinquedos naquele Natal, castanhas e laranjas e uma locomotiva de brinquedo, amêndoas de chocolate e um ratinho de corda, mas o Coelho era definitivamente o melhor de todos. Por pelo menos duas horas o menino o amou.

E então, tias e tios vieram para jantar, e houve um grande farfalhar de papel de seda e de desembrulhar dos pacotes, e na excitação de olhar todos os presentes novos, o Coelho de Pelúcia foi esquecido.

Os Brinquedos

Por um longo tempo ele viveu no armário de brinquedos ou no assoalho do quarto das crianças, e ninguém pensava muito sobre ele.

Ele era naturalmente tímido, e sendo feito somente de pelúcia, alguns dos brinquedos mais caros faziam pouco caso dele.

Os brinquedos mecânicos, como o trenzinho de ferro, eram muito convencidos e se vangloriavam de serem reais.

Mas o Coelho não podia afirmar ser um modelo de qualquer coisa, por ele não saber que coelhos reais existiam.

Ele pensou (pensava) que todos eles eram preenchidos (recheados - estufados) com serragem como ele mesmo, e compreendeu (compreendia) que serragem era completamente fora de moda.

Mesmo Timothy, o leão de madeira articulado, que foi (fora) feito (fabricado - confeccionado) por soldados aleijados, e deveria ter uma visão mais ampla, dava-se ares.

Entre todos eles o pobre Coelhinho se sentia muito insignificante e comum, e (absolutamente) a única pessoa que era amável com ele era o Cavalo de Pele.

O Cavalo de Pele

O Cavalo de Pele tinha vivido por muito mais tempo no quarto de crianças do que qualquer um dos outros.

Ele era tão velho que seu revestimento marrom estava careca nos remendos e mostrava as costuras embaixo, e a maioria dos pelos em sua cauda tinham sido arrancados para fazer (encordoar) colares de contas.

Ele era sábio, porque ele tinha visto uma longa sucessão de brinquedos mecânicos chegar se gabando e andar com arrogância, e um a um quebrar suas molas principais e acabarem-se, ele sabia que eles eram apenas brinquedos, e nunca se tornariam qualquer outra coisa.

Pois a mágica do quarto de criança é muito estranha e maravilhosa, e somente aqueles brinquedos que são velhos e sábios e experientes como o Cavalo de Pele, compreendem tudo isso.

"O que é REAL?" perguntou o Coelho um dia. "Significa ter coisas que zumbem dentro de você e uma manivela saliente?"

"Real não é como você é fabricado", disse o Cavalo de Pele. "É algo que acontece com você".

"Quando uma criança o ama por um longo, longo tempo, não apenas para brincar (brinca) com você, mas REALMENTE ama você, então você se torna Real".

"Isso machuca?"

"Hummmmmm... às vezes", ele era sempre sincero. "Quando você é Real você não se preocupa em ser machucado".

"Isso acontece tudo de repente, como quando alguém lhe dá corda ou aos poucos?"

"Isso não acontece tudo de repente... Você se torna (transforma). Demora um longo tempo. Por isso não acontece freqüentemente para as pessoas que se quebram facilmente, ou que têm bordas afiadas, ou que têm que ser guardadas com cuidado".

"Geralmente, quando você se torna Real, a maior parte de seu cabelo foi (amorosamente) arrancada, e seus olhos caem e você se torna frouxo nas juntas e muito surrado".

Mas estas coisas não importam no entanto, porque uma vez que você é Real, você não pode ser feio, exceto para pessoas que não compreendem".

"Eu suponho, você é real?" (Eu suponho que você seja real?) E então ele desejou não ter dito aquilo, porque ele pensou que o Cavalo de Pele poderia ficar sentido. Mas o Cavalo de Pele somente sorriu.

"O Tio do Menino me tornou Real. Isso foi há muitos anos atrás, mas uma vez que você é Real você não pode tornar-se irreal outra vez. Isso dura para sempre."

O Coelho suspirou. Ele pensou que seria um longo tempo (um longo tempo passaria) antes que esta mágica chamada Real acontecesse com ele.

Ele ansiava tornar-se Real, para saber com que isso parece (o que sentiria). E ainda, a idéia de ficar surrado e de perder seus olhos e bigodes era demasiado triste. Ele desejava que pudesse se transformar (em Real) sem que estas coisas incômodas (desconfortáveis) acontecessem com ele.

Nana

Havia uma pessoa chamada Nana que governava o quarto das crianças. Às vezes ela não prestava atenção nos brinquedos (que encontravam-se) espalhados, e às vezes, sem qualquer motivo, de qualquer forma, ela ia (vinha) num vôo rasante como um grande vento e os jogava dentro dos armários.

Ela chamava isso de "arrumando", e todos os brinquedos odiavam isso, especialmente os de lata. O Coelho não se importava tanto com isso, pois onde quer que ele fosse jogado ele caia suavemente (macio).

Canção de ninar

Uma noite, quando o Menino estava indo para a cama, ele não conseguia encontrar o cachorro de porcelana, que sempre dormia com ele.

Nana estava com pressa, e era trabalhoso demais (muita agitação) procurar por cães de porcelana, e vendo que as portas do armário de brinquedos estavam (permaneciam) abertas, ela deu um mergulho (dentro): "Aqui, pegue seu velho Coelho! Ele servirá para dormir com você!"

Naquela noite, e por muitas noites depois (a seguir), o Coelho de Pelúcia dormiu na cama do Menino.

No início ele achava (isso) bastante desconfortável, porque o Menino o abraçava muito apertado, e às vezes rolava sobre ele, e às vezes ele o empurrava tão longe (tanto para) debaixo do travesseiro que o Coelho mal podia respirar.

E ele sentia falta (tinha saudades) das suas conversas com o Cavalo de Pele durante aquelas longas horas de luar no quarto das crianças, quando toda a casa estava silenciosa.

Mas muito cedo (logo) ele começou a gostar disso, pois o Menino costumava conversar (conversava) com ele, e fazia túneis agradáveis ('legais') para ele embaixo das cobertas e eles tinham esplêndidas brincadeiras juntos, em sussurros.

E quando o Menino caia (caísse) no sono, o Coelho se aconchegaria (aconchegava) debaixo de seu queixo morno e pequeno e sonharia (sonhava), com as mãos do Menino segurando-o (ao seu redor) a noite toda.

E assim o tempo passou (foi passando), e o Coelhinho era (estava) muito feliz, tão feliz que ele nunca se dava conta de como seu bonito pêlo de pelúcia estava ficando (se tornando) mais e mais surrado,

E seu rabo começava a se a descosturar, e toda cor-de-rosa do seu nariz desbotava (desbotou) onde o Menino o tinha beijado (beijava).

Primavera

Veio a primavera, e eles tiveram longos dias no jardim, pois onde quer que o menino fosse o Coelho ia também.

Ele tinha passeios (passeava) no carrinho de mão, e (tinha) piqueniques na grama, e encantadoras cabanas de fadas construídas para ele embaixo dos caules de framboesa atrás da borda florida.

Uma vez o Menino foi chamado para sair de repente, e o Coelhinho foi deixado para fora no gramado até um longo tempo após o escurecer.

Nana teve que vir procurá-lo com uma vela, porque o Menino estava tão preocupado com o Coelho que não podia dormir a menos que o Coelho estivesse em segurança em casa.

Ele estava completamente molhado com o orvalho e com bastante terra de mergulhar nas tocas que o Menino tinha feito para ele no canteiro de flores. Nana resmungou: "Você tinha que ter seu velho Coelho! E pensar em todo esse rebuliço por um brinquedo!"

"Dê-me meu Coelho! Você não deve dizer isso. Ele não é um brinquedo. Ele é REAL!"

Quando o Coelhinho ouviu aquilo ele ficou feliz, pois ele sabia (soube) que aquilo que o Cavalo de Pele tinha dito era verdade enfim.

A mágica do quarto das crianças tinha acontecido para (com) ele, e ele não era mais um brinquedo. Ele era REAL. O próprio Menino havia dito isso.

Naquela noite ele estava quase feliz demais para dormir (tão feliz que não dormia), e tanto amor agitou seu pequeno coração de serragem, que quase estourou.

E em seus olhos de botão de bota, que tinham há muito tempo perdido seu brilho, veio (apareceu) um olhar de sabedoria e beleza, de modo que mesmo Nana notou isso na manhã seguinte quando ela o pegou (levantou), e disse:

"Eu acho que esse velho Coelho está adquirindo uma boa expressão de sabedoria!" (Eu acho que esse velho coelho não tinha exatamente essa expressão de sabedoria)

Verão

Aquele foi um verão maravilhoso! Perto da casa onde eles viviam havia um bosque, e durante as longas tardes de Junho o Menino gostava de ir lá com o Coelho do Pelúcia para brincar.

E cada dia antes que o Menino fosse perambular para colher flores, ou brincar de bandido entre as árvores, ele fazia para o Coelho um pequeno ninho entre as samambaias, ele era um Menininho de bom coração (amável) e gostava que o Coelho estivesse confortável.

Uma tarde, o Coelho estava sentado lá sozinho, observando as formigas.

Dança de Coelho

De repente, ele viu dois seres estranhos saírem lentamente das samambaias altas perto dele. Eles eram coelhos como ele, mas bastante peludos e novinhos em folha.

Eles deveriam ter sido muito bem fabricados (feitos), pois suas costuras não apareciam de jeito nenhum, e eles mudavam de formato numa maneira estranha quando se moviam; num minuto estavam compridos e magros e no minuto seguinte, gordos e rechonchudos, em vez de sempre ficarem a mesma coisa como ele.

Eles o fitaram, e o Coelhinho os fitou de volta. E o tempo todo seus narizes se mexiam.

"Por que você não se levanta e brinca conosco?", um deles perguntou.

"Eu não tenho vontade", disse o Coelho, pois ele não quis explicar que não tinha um mecanismo de corda.

"Eu acho que você não pode!" (Eu não acredito que você possa!)

"Eu posso! Eu posso saltar mais alto que qualquer coisa". Ele se referia a (queria/quis dizer) quando o Menino o jogava, mas naturalmente não queria dizer (revelar) isso.

"Você pode pular nas suas pernas (patas) traseiras?"

Aquela era uma pergunta (Isso foi uma pergunta) terrível, porque o Coelho de Pelúcia não tinha pernas (patas) traseiras de jeito nenhum! Ele sentou (ficou sentado) quieto (imóvel) nas samambaias, e esperava que os outros coelhos não notassem (notariam).

"Eu não quero!" ele disse outra vez.

Mas os coelhos selvagens tinham olhos afiados (vigilantes). E esse esticou seu pescoço e olhou. "Ele não tem patas traseiras", e ele começou a rir.

"Eu tenho! Eu tenho pernas traseiras! Estou sentando nelas"

"Entao estique-as e mostre-me, assim!" e ele começou a girar (rodopiar) e dançar.

"Eu não gosto de dançar. Eu preferia (prefiro) sentar quieto!"

Mas o tempo todo ele estava louco para (desejava) dançar, porque ele foi tomado por um novo sentimento engraçado como uma cócega (um novo sentimento engraçado de fazer cócegas passou por ele), e ele sentiu que daria qualquer coisa no mundo para poder pular como aqueles coelhos.

O estranho coelho parou de dançar, e chegou bem perto.

"Ele não cheira bem! Ele não é nenhum coelho! Ele não é real!"

"Eu SOU real! Eu sou REAL! O Menino disse!" E quase ele começou a chorar.

Naquele instante (então) houve o som de passos, e o Menino os passou correndo perto deles, e com um estampido de pés e um lampejo de rabos brancos os dois estranhos coelhos sumiram (desapareceram).

"Voltem aqui e brinquem comigo! Oh, voltem mesmo (por favor)! Eu SEI que eu sou Real!"

Mas não houve resposta. O Coelho de Pelúcia estava completamente sozinho.

Ser Surrado (o desgaste, estar velho e gasto) Não Importa

"Meu Deus! (Puxa vida! - Oh, querido!) Porque eles correram (fugiram - foram embora) assim? Porque eles não puderam ficar e (para) conversar comigo?"

Por muito tempo ele ficou sentado (sentou) muito quieto, olhando para as samambaias, e esperando que eles voltassem (voltariam). Mas eles nunca voltaram, e logo o sol foi se recolhendo (baixando - afundando) e as pequenas mariposas brancas bateram as asas, e o Menino veio e o levou para casa.

Passaram-se semanas, e o Coelhinho se tornou muito velho e surrado, mas o Menino o amava tanto quanto (do mesmo jeito - o mesmo tanto).

Ele o amava tanto, que amava a falta de todos os bigodes, e o forro cor-de- rosa de suas orelhas ficou cinza. Ele até começou a perder o seu formato, e ele quase não parecia mais um coelho, exceto para o Menino.

Para ele, ele era sempre bonito, e isso era tudo com que o Coelhinho se preocupava. Ele não se importava com sua aparência (como ele se parecia) para outras pessoas, porque a mágica do quarto das crianças o tinha tornado Real, e quando você é Real, o desgaste (ser surrado) não importa.

Momentos de Ansiedade (agitados)

E então, um dia, o Menino ficou (estava) doente.

Seu rosto ficou muito corado (vermelho), e ele conversava enquanto dormia, e o seu corpinho estava tão quente que queimava o Coelhinho quando ele o abraçava.

Pessoas estranhas vinham e entravam no quarto de crianças, e uma luz ficou acesa a noite toda e durante todo o período (com tudo isso) o Coelhinho vigiava e nunca se movia.

Foi um longo período cansativo, pois o Menino estava doente demais (muito doente) para brincar, mas ele sabia que o Menino precisava dele. E quando (enquanto) o Menino estava sonolento (meio adormecido) o Coelhinho chegava bem pertinho do travesseiro e susurrava todo tipo de planos encantadores (deliciosos) para quando o Menino estivesse recuperado de novo (bom outra vez).

Eles iriam (sairiam) para o jardim entre as flores e borboletas e se divertiriam muito entre as (moitas de) framboesas, assim como costumavam fazer (como sempre).

Finalmente, a febre baixou, e o Menino melhorou. Ele podia se sentar na cama e olhar os livros de desenhos (ilustrações - gravuras), enquanto o Coelhino se aninhava (abraçava) bem perto (junto) ao lado dele.

E um dia o deixaram se levantar e se vestir. Eles tinham levado (levaram) o Menino para fora na varanda (terraço), agasalhado (enrolado - envolvido) num xale, e o Coelhinho sentou enroscado na roupa de cama, ouvindo.

O Menino estava indo para a praia amanhã. Tudo estava certo (arranjado), e agora somente restava obedecer às ordens do médico.

O quarto ia ser desinfetado, e todos os livros e brinquedos com quais o Menino tinha brincado na cama deviam ser quiemados.

"Hurrah!" pensou o Coelhinho, "Amanha nós vamos (iremos) à praia!"

Naquele momento Nana o viu (se deu conta dele).

"E o seu velho Coelhinho?"

"Aquele?" disse o médico. "Por que? (Ora!) É uma bolha de germes de escarlatina! - Queime-o imediatamente. O que? Absurdo! Dê-lhe um novo. Ele não deve ter mais aquele!"

A Fada

E assim, o Coelhinho foi colocado num saco com os velhos livros de gravuras e muito lixo, e levado até o final do jardim, atrás da casa de aves.

Aquele era um ótimo lugar para fazer uma fogueira, mas (apenas) o jardineiro estava ocupado demais naquele momento para fazer isso. Ele tinha que cavar as batatas e colher as ervilhas, mas na manhã seguinte ele prometeu chegar bem cedo e queimar tudo.

Naquela noite o Menino dormiu num quarto diferente, e ele tinha um coelho novo para dormir com ele. Era um coelho esplêndido, todo de pelúcia branca com olhos de vidro genuínos, mas o Menino estava excitado demais para prestar muita atenção (para se preocupar com isso).

Porque amanhã ele ia à praia, e isso em si era uma coisa tão maravilhosa que ele não podia pensar em mais nada.

E enquanto o Menino dormia, o Coelhinho deitava (estava deitado) entre os livros de ilustrações no canto atrás da casa de aves, e ele se sentiu muito solitário.

Ele estava tremendo um pouco, pois sempre esteve acostumado a dormir numa cama quente e agradável, e agora sua pele tinha ficado tão fina e gasta dos abraços que não o protegia mais.

Por perto ele podia ver as moitas de caules de framboesa, em cujas sombras ele tinha brincado com o Menino em manhãs passadas. Ele pensou naquelas horas ensolaradas no jardim - como eles eram felizes - e ele ficou muito triste.

Ele parecia vê-las todas passando na sua frente, cada uma mais bonita do que a outra, o canteiro de flores, as tardes quietas no bosque quando ele deitava entre as samambaias e as formiguinhas corriam por cima de suas patas; o dia maravilhoso no qual (em que) pela primeira vez ele soube (descobriu) que era Real.

Ele pensou no Cavalo de Pele, tão sábio e gentil, e tudo que ele tinha lhe contado.

E uma lágrima, uma lágrima real escorreu pelo seu nariz surrado de veludo e caiu no chão. E então uma coisa maravilhosa aconteceu. Pois onde a lágrima tinha caído cresceu uma flor misteriosa, que não parecia nada com qualquer outra que crescia no jardim.

Ela era tão bonita que o Coelhinho se esqueceu de chorar, e apenas sentou lá olhando-a. Então de repente, o botão (a flor) abriu, e para fora saiu a fada mais bonita de todo o mundo. Ela chegou perto do Coelhinho e o pegou em seus braços e o beijou em seu nariz de pelúcia que estava todo úmido de chorar.

"Coelhinho, você não sabe quem sou eu?"

O Coelho olhou para ela, e parecia que ele a tinha visto antes, mas não podia pensar (lembrar) onde.

"Eu sou a Fada Mágica do quarto das crianças. Eu cuido (tomo conta) de todos os brinquedos que as crianças amaram. Quando eles estão velhos e gastos, e as crianças não precisam mais deles, então eu venho e os levo embora e os torno Reais."

"Eu não era Real antes?"

"Você era Real para o Menino, porque ele o amava. Agora você será Real para todo mundo."

Voando

E ela segurou o Coelhinho apertado em seus braços e voou com ele para dentro do bosque. Estava claro agora, porque a lua tinha nascido. Toda a floresta (vegetação) estava lindo, e as folhas das samambaias brilharam como prata coberta de gelo (gelada).

Na clareira aberta entre os troncos das árvores os coelhos selvagens dançavam com suas sombras na grama aveludada, mas quando viram a Fada todos eles pararam de dançar e ficaram num (formaram um) círculo para fita-la (observa-la).

"Eu trouxe (para vocês) um novo amigo para brincar. Vocês devem ser muito gentis com ele e lhe ensinar tudo que ele precisa (necessita) saber na Terra dos Coelhos, porque ele vai viver com vocês para sempre."

E ela beijou o Coelhinho de novo.

"Corra e brinque, Coelhinho!"

Mas o Coelhinho sentou totalmente imóvel por um instante e não se moveu. Pois quando ele viu todos os coelhos selvagens dançando em volta dele ele se lembrou das suas patas traseiras, e ele não queria que eles vissem que ele era feito (fabricado) todo em uma única peça.

Ele não sabia que quando a Fada o beijou aquela última vez ela o tinha mudado completamente (todo).

E talvez ele ficasse sentado lá por muito tempo, tímido demais para se mover, se naquele momento alguma coisa não tivesse feito coçegas em seu nariz, e antes dele pensar o que estava fazendo ele levantou o dedo da pata traseira para coçá-lo.

Ele realmente tinha patas traseiras! Em vez de pelúcia desbotada ele tinha pêlo marrom, macio e brilhante, suas orelhas se contraiam sozinhas, e seus bigodes eram tão longos que eles roçavam a grama.

Ele deu um pulo (salto) e a alegria de usar aquelas patas traseiras era tão grande que ele foi pulando na grama com eles, pulando de lado (a lado) e rodopiando como os outros faziam, e ele ficou (foi ficando) tão excitado que quando finalmente ele parou para agradeçer à Fada, ela tinha partido.

Ele era um Coelho Real enfim, em casa com os outros coelhos.

Retornando (O retorno)

O outono passou. E o inverno. E na primavera, enquanto o Menino estava fora brincando no bosque, dois coelhos saíram lentamente (insinuaram-se - rastejaram) e espiaram (surgiram - se deixaram ver) para ele. Um deles era todo marrom, mas o outro tinha marcas embaixo do seu pelo.

E em volta do seu pequeno nariz macio e seus olhos pretos redondos havia algo familiar, e assim o Menino pensou:

"Ora, ele parece exatamente como meu velho Coelho que se perdeu quando eu tive escarlatina!"

Mas ele nunca soube que era realmente seu próprio Coelho, que voltou (voltara) para olhar a criança que, pela primeira vez, tinha lhe ajudado a ser (se tornar) Real.

Esse texto corresponde à história "The Velveteen Rabbit" narrada por Meryl Streep num CD musicado e produzido por George Winston, pertencente à coleção "Dancing Cat Records" retirada da versão completa disponível no site: http://www.writepage.com/velvet.htm

mapa

\"Retornar