Programação Neurolinguística

A Programação Neurolinguística (PNL) é um dos mais valiosos modelos de comunicação, aprendizagem e mudanças de comportamento acessível a leigos, das últimas décadas. Embora seja acessível a leigos, esse método tem uma grande familiaridade com a Terapia Comportamental Cognitiva, abordagem com embasamento científico e extensa pesquisa acadêmica. De uma forma ilustrativa, a PNL pode ser encarada como uma metodologia que busca identificar aquilo que chamaríamos de manual de instruções de nosso cérebro, portanto seu alcance abrange principalmente processos mentais, emocionais e cognitivos.

A PNL é um modelo construtivista de intervenção extremamente poderoso, embora tenha adquirido uma fama suspeita em vários países devido ao exercício de indivíduos indevidamente preparados para exercê-la ou ensiná-la. Atualmente, além de ser um conhecimento muito útil para qualquer profissional que lide com mudança, liderança, desenvolvimento humano, comunicação e/ou comportamento, serve especialmente para criar um ambiente de exploração e aprendizagem, no qual, as diferenças individuais sejam acolhidas, partindo-se do pressuposto que todos fazem sempre o melhor que podem!

A PNL também oferece vários “instrumentos” de intervenção comportamental que podem ser utilizados para lidar com alguns tipos de tensões emocionais, inibições e bloqueios, além de despertar os seus praticantes para uma postura mais experimental de observação e ação, em lugar de levá-los a elaborar teorizações ou interpretações exageradas.

Para o indivíduo, um dos maiores legados da PNL é que esse modelo possui um profundo apelo de validação da experiência individual e para a responsabilização pelas mudanças diante de experiências de vida indesejadas. Isso, em geral, afrouxa a culpa que nossa cultura tanto insiste em depositar em cada um, talvez com a finalidade de igualar a todos na forma de ser e de agir e conseguir maior controle sobre o indivíduo. Ao responsabilizar o próprio indivíduo pelo seu aprendizado e mudança de comportamento depois de aparelhá-lo adequadamente para assumi-los, em geral, a PNL contribui para o despertar de uma sede insaciável por aprender mais – sendo que muitos estudantes entusiasmados dessa abordagem acabam buscando um conhecimento maior de si mesmos em vários outros campos do comportamento, inclusive em cursos de psicologia.

Para aqueles que tem um caminho espiritual ou já percorrem a senda da busca interior, as técnicas da PNL podem não parecer tão interessantes. Entretanto, o aprendizado e prática de vários dos seus métodos contribui significativamente para dar mais plasticidade à “substância mental”, proporcionando ao indivíduo muito mais flexibilidade para transitar no universo interior e dando-lhe vários recursos para gerenciar o aumento de estresse decorrente da expansão de consciência e do aumento da percepção e da sensibilidade.

O que é a Programação Neurolinguística? O que é a PNL?

Programação Neurolinguística é o nome de um método de exploração da subjetividade humana criada pelos norteamericanos Richard Bandler e John Grinder. Também é conhecida como a ciência da Modelagem da Excelência, isto é, uma abordagem que nos permite identificar, reconhecer e transferir (ensinar) padrões de comportamento de pessoas altamente eficazes.

A PNL tem evoluído muito ao longo das últimas décadas, recebendo contribuições das mais diversas áreas do conhecimento sobre o comportamento. Ela foi criada e apresentada ao público na década de 70 e tem suas origens nos trabalhos de vários outros cientistas e pesquisadores do comportamento humano: o brilhante hipnoterapeuta e psiquiatra norteamericano Milton Erickson, o antropólogo ciberneticista Gregory Bateson, o psiquiatra Fritz Perls criador da Gestalt Terapia e a psicoterapeuta estratégica de famílias Virginia Satir.

A PNL é considerada, por muitas pessoas, uma “caixa de mágicas”, incluindo algumas técnicas e métodos que, originalmente, foram desenvolvidos em outras abordagens comportamentais.

Creio que a PNL seja, essencialmente, uma atitude. Uma forma de observar a vida com os olhos, ouvidos e percepções bem abertos, tendo o intuito de identificar o como fazer aquilo que não fazemos ou o como fazer melhor aquilo que já fazemos… A PNL é frequentemente apresentada como o “Manual de Instruções” do funcionamento do cérebro humano. Isto é, como o nosso sistema nervoso, o nosso cérebro e a nossa mente operam e, muitas vezes, fora do nosso controle consciente.

A PNL deu origem a muitas novas abordagens que tomaram o seu repertório de métodos investigativos e criaram técnicas tão ou mais elegantes nas últimas décadas, sendo que não pode ser considerada como uma abrodagem pronta ou acabada. Entre elas encontramos: o Design Human Engineering (Richard Bandler), a Transformação Essencial (Connirae Andreas), o New Code (John Grinder), o Panorama Social (Lucas Derks), PNL Sistêmica, além daquilo que chamamos de gerações da PNL.

Historicamente a PNL faz parte de uma geração de métodos desenvolvidos a partir do movimento de Desenvolvimento do Potencial Humano iniciado por Abraham Maslow, cujos ideais incluiam o estudo dos padrões de comportamento individual e social extremamente funcionais: a Psicologia da Saúde e do Sucesso. A Psicologia, até a época de Maslow, era uma derivação da Psiquiatria e estudava, principalmente, doenças e problemas.

Até que Maslow despertou a comunidade científica para as seguintes reflexões: “Como funcionam as pessoas que não tem doenças?”, “O que elas fazem?”, etc. Tais reflexões deram origem a uma nova geração de métodos, entre eles a PNL de Bandler e Grinder, a Psicologia Positiva de Martin Seligman, a Teoria do Fluxo de Mihaly Csikszentmihalyi, os modelos de terapia breve e focados em soluções de Steve de Shazer, entre vários.

A PNL serve originalmente para estudar a excelência! No presente é um conhecimento bastante difundido nas áreas de treinamento, vendas, gestão de pessoas, solução de conflitos, liderança, coaching, terapia, etc., ou seja, em qualquer setor da atividade humana em que a subjetividade humana seja um recurso ou um obstáculo à boa performance, tais como, comportamento, aprendizagem e comunicação. Existem muitos palestrantes e treinadores que a usam sem mencionar a origem real de seus métodos eficazes de obter resultados, escondendo de seus currículos suas capacidades obtidas em treinamentos de Programação Neurolinguística ou dando novos nomes para antigos conhecimentos já codificados dentro da PNL.

A PNL é um modelo de compreensão da subjetividade humana muito elegante para explicar os processos de aprendizagem, a comunicação verbal e não-verbal e distintas formas de um indivíduo assumir a responsabilidade pelos seus comportamentos. Finalmente, este modelo nos permite compreender melhor tais dimensões da existência humana e transformá-la em favor de tornar as pessoas melhores, mais satisfeitas e mais efetivas em seus resultados.

0