Sugestões de uso de mapas mentais

Por Virgílio Vasconcelos Vilela

Por papel ou área de atuação

Qualquer pessoa

  • Organização pessoal e autoconhecimento – Nossas experiências muitas vezes ficam desorganizadas e portanto nem tão produtivas. Com relação à experiência, imagine ter mapas mentais com todas as suas vitórias e conquistas? Ou com os obstáculos que já superou? Que tal ter um mapa mental organizando todos os tipos de prazeres saudáveis de que você já usufruiu? Você pode ter mapas mentais pessoais de experiências, objetivos de longo, médio e curto prazos, história pessoal, forças e oportunidades de melhoria – não há limites para as possibilidades.
  • Solução de problemas – Um mapa mental pode registrar aspectos variados do problema: objetivos, soluções possíveis, critérios a serem aplicados para decisão, possíveis impactos, custos e benefícios e outros. Um mapa mental permite que se tenha uma visão abrangente dos fatores relevantes de um problema a um só olhar.
  • Planejamento pessoal ? Já mostramos um exemplo de lista de coisas para fazer. O planejamento pessoal pode ser feito e controlado em formatos variados, como semanal, por tipo de ação, por prioridade.

Colecionadores

Catalogar os objetos da coleção em um ou mais mapas mentais.

Críticos

  • Elaborar mapas mentais dos aspectos do objeto de crítica. Por exemplo, para cinema: direção, atores (ator 1, ator 2…), fotografia, originalidade e criatividade, produção (estas são apenas idéias vagas, já que não tenho autoridade para falar do assunto…).
  • Estruturar texto com um mapa mental.

Donas e donos de casa

  • Orçamento doméstico (veja Modelos, categoria Cotidiano).
  • Lista de compras (idem).
  • Controle informal de despensa.
  • Lista de verificação de faxina: quarto, cozinha, sala, etc., e respectivos detalhamentos.

Empresários

  • Ter sempre à mão mapas mentais com os vários aspectos do seu negócio. Nada pior do que tomar uma decisão e esquecer algum fator importante.
  • Lista de atividades e pendências.

Estudantes e aprendizes

  • Transformar a matéria a estudar em mapas mentais e estudar por eles, voltando ao material somente se for preciso.
  • Preparar o andamento de um seminário ou apresentação usando um mapa mental. Memorizá-lo para garantir que não vai se perder.
  • Em projetos, como feira cultural, mapas mentais podem apoiar na definição e organização do conteúdo, no planejamento e divisão das tarefas, na preparação para a apresentação e na apresentação propriamente dita.(Veja a apostila Mapas Mentais na Escola)Grupos e times
  • Usar um mapa mental como um dos produtos a serem gerados pelo grupo. O mapa concentra o foco do grupo, definindo mais claramente consensos e discordâncias.
  • Planejamento, divisão e controle de tarefas.

Líderes

  • Elaborar um mapa mental dos aspectos da liderança com que tem que se ocupar: subordinados, diretrizes da empresa, recursos materiais, atividades de rotina e eventuais, pendências, urgências, etc.
  • Em reuniões, preparar a pauta segundo um mapa mental. Distribuir o mapa previamente aos participantes. Durante a reunião, situar os participantes fazendo referência ao mapa.
  • Em preleções, usar uma mapa mental, ilustrado ou não. Se você já viu algum líder falar por vários minutos e pouco reteve do que ele disse, pode perceber logo o valor disso.
  • Manter mapas mentais sobre subordinados, contendo acontecimentos, características observadas, competências e outras coisas relevantes.

Jornalistas

  • Elaborar a estrutura de uma notícia em um mapa mental antes da redação.
  • Registrar e manter controle de fatos relacionados a uma pessoa ou acontecimento.

Professores

  • Elaborar mapas do conteúdo para uso próprio e para passar para os alunos. Alternativamente, solicitar que eles elaborem os mapas. Pode ser melhor não apresentar novas matérias tendo como base apenas um mapa mental, porque pode ficar muito monótono. Uma opção de estratégia é apresentar primeiro um mapa de primeiro nível, para dar uma visão geral, e depois ir mostrando detalhamentos.
  • Fazer o planejamento de aula usando um mapa mental. Se você está ministrando o curso pela primeira vez e não tem um plano, pode elaborar um mapa para o conteúdo; os primeiros níveis vão constituir-se no conteúdo do plano de curso, e os níveis mais detalhados farão parte do plano de unidade ou aula, dependendo da estrutura de planejamento que você esteja adotando.
  • Elaborar um mapa dos aspectos envolvidos na docência: conteúdo, estratégias, oratória, posicionamento, ética, etc (um desses está em nossos planos; vários, aliás, porque são muitos os aspectos). Com um desses você pode ter uma visão geral e distinguir pontos fortes e oportunidades de melhoria.(Veja a apostila Mapas Mentais na Escola)

Publicitários

  • Fazer brainstorm usando um programa para mapas mentais.
  • Representar a estrutura de uma campanha com um mapa mental.
  • Usar mapas mentais como um recurso visual em campanhas.

Redatores e escritores

  • Elaborar um mapa mental do texto ou publicação antes de redigi-lo. Todos sabemos quanto pode custar a reestruturação de um texto já bem andado.
  • Para textos já elaborados, fazer um mapa mental pode indicar melhorias na estrutura.
  • Registrar idéias de forma organizada e facilmente acessível.

Webmasters e webdesigners

  • Ter um mapa mental com a estrutura do site.
  • Armazenar idéias e possibilidades para o site em um mapa mental, por aspecto (ver Modelos, categoria Web)
  • Fazer o planejamento de atividades do site.

Curso Básico de MAPAS MENTAIS

O Instituto de Desenvolvimento do Potencial Humano oferece um treinamento prático básico sobre MAPAS MENTAIS no formato Educação à Distância destinado a pessoas que queiram recursos para ler e elaborar mapas mentais num curto período de tempo.

Os MAPAS MENTAIS constituem um método gráfico de gerenciamento de informações que melhora o desempenho da memória, contribui para o aguçamento do raciocínio e o desenvolvimento da inteligência.

É também um excelente suporte para a criação de novos conhecimentos e para o aumento do foco de atenção.

O curso tem uma carga horária de 24 horas, que podem ser distribuídas ao longo de seis semanas, exigindo uma dedicação semanal de apenas 4 horas.

Resultados mais Comuns:

  • Melhora da estruturação de textos, apresentações e discursos;
  • Melhora da habilidade de gerenciar informações e conhecimentos;
  • Melhora da performance da memória e da taxa de absorção em aulas, reuniões e negociações;
  • Principais benefícios: maior criatividade e motivação e melhora de concentração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0