O que te move?

Por: Viviani Bovo

O que te move? Entusiasmo ou Desafio? Recentemente fiz essa descoberta pessoal, de como eu funciono, e agora quero compartilhar com vocês os meus insights, porque aprendi o quanto é importante sabermos o que funciona para a gente e que pode ser diferente para os outros.

Já pensou como você pode estar influenciando positiva ou negativamente a vida de seus filhos, ou de seus parceiros de trabalho, só por não saber como isso pode estar funcionando lá dentro deles?

Quem trabalha em empresa está acostumado com a palavra “desafios”, é muito comum e ela é usada com um tom de motivação, de querer mostrar que é uma força para ultrapassar limites e atingir objetivo, mas comigo isso não funcionava bem… Eu trabalhei 21 anos em uma multinacional de grande porte, em cargo de liderança, claro que eu atingia as minhas metas, mas me sentia extremamente estressada com essa abordagem do “desafio”.

Anos depois, um amigo que veio trabalhar comigo, observando minha forma de agir comentou assim “- Você é uma entusiasta! Quando você se entusiasma com algo, ninguém te segura!”. Senti que isso que ele disse me impactou muito, positivamente, ele estava me ajudando a me descobrir, a conhecer como eu mesma funcionava. Mas ainda não tive a conclusão das minhas ideias nessa época, isso ficou como uma peça solta de um quebra-cabeça.

Um pouco mais adiante no tempo, em um restaurante, almoçando com meu pai, que já estava idoso, algo interessante aconteceu para trazer mais uma peça desse quebra-cabeça.

Ele já é falecido, mas tinha o costume de brincar com as pessoas, e nesse dia ele começou a conversar e brincar com o rapaz que servia as mesas. As brincadeiras dele normalmente eram desafios do tipo que faz ligando pontos, com palitos, como se fossem charadas. O rapaz deu atenção a ele, ouviu a charada, tentou um pouco resolver, mas como não conseguiu rapidamente disse que não poderia ficar ali porque tinha outras mesas para servir. Meu pai inconformado, começou a desafiar o rapaz com frases de desafio, de forma educada e divertida, mas desafiando: “Ah! Não me diga que você vai desistir! Vamos lá rapaz mostre quem você é!, etc”. É claro que logo ele parou porque notou que realmente o rapaz não poderia ficar ali, pois estava trabalhando.

Esse episódio me deu um grande insight, eu tinha consciência porque isso me acompanhava desde pequena, essa abordagem de desafio, ele me desafiava, assim como aos meus irmãos, e para mim era muito desconfortável, me sentia incompetente com essa frase “Duvido que você consegue”, não a entendia como um desafio para me levar adiante, e sim a levava ao “pé da letra” como se eu realmente não fosse capaz. Só nesse dia pude compreender as intenções do meu pai durante uma vida toda, era me mover para frente, mas ele usava a forma como funcionava para ele, e não para mim. Notei que meu pai era movido a desafio. Se você dissesse para ele “Eu duvido que o Sr. consiga fazer isso!”, pronto, era o suficiente para ele mover céus e terra e conseguir fazer, só para te mostrar que ele era capaz. E dava para notar a satisfação e alegria dele quando isso acontecia. Ele era movido 100% por desafio!

Quando enfim consegui juntar essas duas peças do quebra-cabeça notei que eu sou diferente, preciso de algo que me entusiasme, se eu me apaixonar pela ideia, então daí ninguém me segura, sou criativa, vou muito mais longe do que quando sou desafiada. O desafio para mim tem um tom de obrigação e falta de liberdade. Mas sei que isso funciona diferente em outras pessoas! Eu sou movida 100% por entusiasmo!

Empolgada com essa descoberta fiquei pensando como seria sabermos disso para podermos nos mover e para ajudar as crianças a se moverem de forma mais positiva e produtiva. Uma criança que funcione como eu teria que ser exposta às ideias de forma apaixonada, e assim “compraria” a ideia com paixão e seguiria com entusiasmo. Já uma criança como meu pai poderia ser desafiada porque ela se move com uma frase dessas “Duvido que você consiga!”, essa fala se torna o combustível que ela precisa para ter garra e ir além!

Também quis compartilhar essa descoberta com pessoas do meu convívio, e ao expor essas experiências descobri com os relatos que tem pessoas que funcionam de forma mista, em alguns momentos são movidas por desafios, gostam disso e em outros por entusiasmo. Uma das pessoas com quem comentei, ao refletir me disse que se percebia sendo 40% desafio e 60% entusiasmo, mas isso variando de acordo com a situação, com o tipo de meta a ser atingida. O que me fez perceber que isso pode ser uma escala em determinadas situações, podendo estar motivado 100% por entusiasmo ou 100% por desafio em outras, mas ainda podendo em uma mesma situação se perceber tanto entusiasmado como desafiado.

E você? Como você funciona? Já pensou nisso? E seus filhos? Seus colaboradores? Como seria saber e poder usar a forma certa de se comunicar com essas pessoas, desafiando ou entusiasmando?

Um comentário em “O que te move?

  • 21 de junho de 2020 em 21:02
    Permalink

    Linda abordagem, creio que ajudará muitas pessoas que vivem se culpando por não se sentirem desafiadoras, uma vez que em uma sociedade baseada num capitalismo inconsequente, tal postura é hipervalorizada.
    Agora , com esse esclarecimento, pessoas entusiastas podem pararem de se pre-ocuparem em não serem competitivas e usar essa energia para somar ao entusiasmo. ]Gratidão por compartilhar.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0